Rádio Observador

Assassinato

Maëlys de Araújo não foi violada. Análise aos restos mortais revela fortes agressões

199

A análise revela que Maëlys de Araújo morreu na sequência de fortes agressões. O funeral da menina luso-descendente realiza-se amanhã -- quatro meses depois de terem sido encontrado os restos mortais.

Maëlys de Araújo que desapareceu em Pont-de-Bonvoisin, em França, em agosto do ano passado, durante uma festa de casamento

Uma análise aos restos mortais de Maëlys de Araújo que desapareceu em Pont-de-Bonvoisin, em França, em agosto do ano passado, permitiu concluir que a menina luso-descendente não foi violada antes de morrer — algo que o autor confesso da sua morte sempre negou ter acontecido.

Maëlys tinha uma mandíbula fraturada, provocada por fortes agressões que terão sido a causa da sua morte, apontam as conclusões de uma análise de três meses aos restos mortais da menina luso-descendente de nove anos. Não foram encontradas mais fraturas ou lesões.

O funeral da menina luso-descendente realiza-se este sábado — quatro meses depois de terem sido encontrados os seus restos mortais. A cerimónia pública começa às 14h30, na igreja de Tour-du-Pin, embora a menina vá ser enterrada em Isère. Os pais pediram a todos aqueles que queiram prestar homenagem a Maëlys para trazerem uma flor branca.

Nordahl Lelandais — o principal suspeito do rapto da menor que ficou em prisão preventiva desde o seu desaparecimento — confessou ter matado a menina em fevereiro e colaborou com as autoridades, levando-as ao local do crime para identificar o sítio em que deixou o cadáver. Depois de terem sido encontrados vestígios de sangue no porta-bagagem do seu carro, um Audi A3, Lelandais, de 34 anos, confessou também que a menina esteve no interior do seu carro. O autor confesso da morte — que também é criador de cães — explicou que Maëlys lhe pediu para ir ver os animais. A caminho, a menina terá ficado assustada e pediu para voltarem para trás, aos gritos. Lelandais contou que, nesse momento, deu “uma bofetada com as costas da mão, violenta, na cara” de Maëlys. Ao ver a menina desmaiada, parou o carro e “constatou que já não respirava”.

O corpo da menina luso-descendente foi encontrado após a confissão de Lelandais, em fevereiro deste ano. Cães pisteiros encontraram o crânio de Maëlys e, de seguida, ossadas, no Maciço de Chartreuse, a cerca de uma hora do local do casamento — onde foi dada como desaparecida. Na confissão, Lelandais disse que matou a menina “por acidente” perto da sua casa, escondeu o corpo, voltou para a festa do casamento e mais tarde, voltou para o buscar e escondê-lo noutro local. Na altura, recusou explicar como é que matou a menina, acrescentando que só iria fazê-lo depois de o corpo ter sido encontrado.

O que aconteceu? O casamento, os vestígios de ADN e um suspeito em prisão preventiva

Maëlys desapareceu na madrugada de 26 para 27 de agosto, numa quinta na região de Pont-de-Beauvoisin, em França, a cerca de 85 quilómetros de Lyon. A criança estava numa festa de casamento e foi vista, pela última vez, na sala das crianças. A mãe da menina, prima da noiva, deu por falta da filha quando passavam poucos minutos das 3 horas da manhã.

As autoridades foram chamadas ao local quando, após as primeiras buscas, a criança continuava sem aparecer. Todos os 180 convidados que estavam na festa de casamento foram ouvidos. Também as quase 70 pessoas que estavam noutros salões e bares próximos do local foram interrogadas. As autoridades fizeram o apelo nas redes sociais, nem 24 horas tinham passado do desaparecimento:

Duas pessoas foram detidas: um homem de 24 anos que trabalhava nas imediações da quinta e outro de 34 anos, Nordahl Lelandais, que era convidado do noivo e descrito como amigo do pai de Maëlys, embora os pais da menina, Joachim e Jennifer de Araújo, tenham negado conhecê-lo. O primeiro suspeito estava perto da quinta onde se realizou a cerimónia e já tinha falado à polícia, mas as declarações prestadas foram consideradas inconsistentes e acabou por ser detido. Foi libertado dois dias mais tarde.

O segundo suspeito, Nordahl Lelandais, terá garantido no interrogatório inicial à polícia que não saiu do local da festa mas outros convidados disseram à polícia que o tinham visto ausentar-se no momento em que a menina terá desaparecido. Lelandais reconheceu, mais tarde, que mentiu. As autoridades resolveram prolongar o seu prazo de detenção por mais um dia, mas acabaram por libertá-lo no dia seguinte. Lelandais, que já era conhecido da polícia local por “delitos comuns”, entre os quais consumo de drogas, ficou em prisão preventiva — dois dias depois de ter sido libertado — depois de a polícia ter descoberto vestígios de ADN no painel de controlo do carro e o próprio suspeito ter admitido que a menina esteve no interior da viatura.

Em janeiro deste ano, os pais da criança disseram à imprensa francesa ter conseguido identificar a filha nas imagens de videovigilância que mostram o carro de Lelandais a abandonar o local do casamento. Maelys seguia no lugar do “pendura” e saiu por volta das 2h45. Recorde-se que a ausência da menina foi notada quando passavam poucos minutos das 3 horas da manhã. No momento em que Lelandais regressou, vinha sozinho.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)