Rádio Observador

Pedro Sánchez

Governo de Sánchez tem mais mulheres do que homens porque está “comprometido com a igualdade”

215

O socialista Pedro Sánchez apresentou ao rei Felipe VI os nomes que compõem o novo governo espanhol, que tem mais mulheres do que homens e está "comprometido com a igualdade".

AFP/Getty Images

O novo presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, apresentou esta quarta-feira o executivo com mais mulheres da história do país. “O novo governo reúne, pela primeira vez, mais mulheres do que homens no Conselho de Ministros”, destacou o socialista, que se tornou líder do governo espanhol depois de afastar Mariano Rajoy numa moção de censura na última semana.

Pedro Sánchez apresentou ao rei de Espanha, Felipe VI, os nomes dos 17 ministros que compõem o novo executivo espanhol e, no final do encontro com o monarca, garantiu que “o novo governo está comprometido com a igualdade”.

Este novo governo aspira ser um fiel reflexo da sociedade espanhola que não perde a esperança, que luta para encontrar o seu caminho profissional”, sublinhou Pedro Sánchez à saída do encontro com Felipe VI, que aceitou os nomes propostos pelo socialista para o executivo.

Sobre os novos ministros, Sánchez garantiu que estão “conscientes de que a política não é uma carreira profissional, que exige escutar, dialogar e consensualizar com quem pensa de forma diferente”. Sánchez assegurou ainda que este “é um governo europeísta, porque a Europa é a nossa nova pátria”.

Sánchez aumentou também o número de ministérios no governo, de 13 para 17, recuperando algumas das pastas como o Ministério da Cultura, “que nunca devia ter sido suprimido”.

Entre os ministros do novo governo encontram-se Josep Borrel nos Negócios Estrangeiros; Dolores Delgado na Justiça; Margarita Robles na Defesa; Fernando Grande-Marlaska no Interior; José Luis Ábalos no Fomento; Isabel Celaá na Educação e Formação e como porta-voz do Governo; Magdalena Valerio no Trabalho; Reyes Maroto na Indústria; Luis Planas na Agricultura; Carmen Calvo na presidência e vice-presidência; Meritxell Batet na Política Territorial; Teresa Ribera na Transição Energética; Màxim Huerta na Cultura e Desporto; Carmen Montón na Saúde, e Pedro Duque na Inovação.

O novo presidente do governo acredita que o novo executivo vai “dar visibilidade à potência industrial” de Espanha através do Ministério da Indústria e do Comércio” e colocar ênfase no debate sobre as alterações climáticas, “a que não se prestou suficiente atenção”, através do Ministério da Transição Energética.

Além disso, é criado um alto-comissariado contra a pobreza infantil, “de que sofrem milhares de crianças no nosso país”. Esse alto-comissariado “vai depender da presidência do governo”, sublinhou Sánchez.

O novo executivo reúne ainda “pessoas de distintas gerações” e “com realismo e ambição está disposto e preparado para fazer de Espanha um país melhor”, rematou Pedro Sánchez.

O novo governo socialista de Espanha toma posse na quinta-feira às 10h (9h em Lisboa).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)