Vinho

Fraude e contrafação de vinhos portugueses aumentam principalmente na China

A fraudes e contrafação de vinho português no mercado chinês vai ser debatido no congresso internacional 'Wine Track', que vai decorrer no Porto em 26 de outubro.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O aumento de fraudes e contrafação de vinho português, principalmente no mercado chinês, vai ser um dos temas do congresso internacional ‘Wine Track’, evento a decorrer no Porto em 26 de outubro.

“Temos assistido nos últimos tempos, principalmente no mercado chinês, a algumas situações muito anómalas relativamente à origem de vinhos, com substituições integrais do produto ou com substituições parciais (…). Às vezes utilizam réplicas tão bem feitas que começa a ser muito difícil detetá-las”, avançou à agência Lusa Paulo Barros, secretário-geral da Associação de Laboratórios de Enologia (ALABE).

À margem da cerimónia da apresentação do congresso internacional ‘Wine Track 2018’, que está agendado para o próximo dia 26 de outubro, no Centro de Congressos da Alfândega do Porto, o secretário-geral da ALABE, associação sem fins lucrativos, explicou que é essencial cruzar informação e armazenar a “informação da garrafa”, “rótulo”, “vinho” e de todos os componentes para fazer a caracterização do produto e saber “detetar precocemente essas fraudes”.

Durante a VI edição da ‘Wine Track 2018’ (Caminhos do Vinho), no Porto, são esperados cerca de 350 congressistas, entre cientistas e profissionais do setor do vinho, e um dos principais objetivos é discutir a fraude e a contrafação a nível mundial, que são responsáveis “por prejuízos e quebra de credibilidade” nas empresas.

“Isto é um aspeto da maior importância para a economia de um país (…). Não só para o Estado, que cobra taxas – e que se houver uma via paralela deixa de as cobrar -, como para o consumidor, que quer produtos autênticos, não quer beber algo falso. O consumidor quer saber exatamente qual é a origem do produto e garantir que está integralmente na garrafa o que acabou de comprar, às vezes por preços elevados. Portanto, não quer ser ludibriado”, referiu Paulo Barros.

Para o secretário-geral da ALABE é “fundamental” alertar para o problema das fraudes e colocar a comunidade científica e internacional a trabalhar “com todos os meios do saber, aliando-os às potencialidades dos equipamentos que hoje são cada vez mais “sofisticados”.

“A fraude é tão mais apetecível quanto maior o valor da garrafa”, referiu ainda, acrescentando que as fraudes não incidem em vinhos de baixo valor, “mas em exemplares em que interessa economicamente, em que é compensador a substituição do produto”, como por exemplo, no Pêra-Manca ou no Barca Velha.

No congresso ‘Wine Track 2018’, que é organizado pela Société des Experts Chimistes de France e pela ALABE, tendo como parceiros a Organization Internationale de la Vigne et du Vin, pretende-se mostrar os caminhos para rastrear o percurso do vinho e chegar à verdadeira origem do produto.

“Temos biliões de garrafas que circulam entre países, entre produtores e consumidores neste mercado global. Mas de alguma forma, tem de se poder estabelecer a ligação ao local onde foram produzidas”, defendeu Paulo Barros.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)