Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O mês de Maio foi de retrocesso no registo de novas matrículas no mercado alemão. As vendas caíram para as 305.057 unidades, o que reflecte uma queda de 5,8% a que praticamente nenhuma das marcas germânicas escapou. Excepção feita para a Volkswagen, cuja performance comercial contrastou claramente com este cenário negativo.

A marca alemã efectuou mais 6% de entregas a clientes, reclamando as cinco primeiras posições no ranking dos modelos mais vendidos – algo que nunca antes tinha acontecido. No lugar mais alto do pódio encontra-se, como seria de esperar, o Golf, secundado pelo Tiguan, com a nova geração do Polo a posicionar-se no 3º posto. Passat e as variantes da Transporter ocupam, respectivamente, os lugares seguintes da tabela.

Se analisarmos o top 10, vemos que o domínio do Grupo Volkswagen é esmagador, já que também o 6º, 7 e 8º lugares são ocupados por modelos do conglomerado, designadamente o Audi A4, Audi A3 e Skoda Octavia. O que significa que 8 dos 10 modelos mais procurados pelos alemães são pertença do Grupo Volkswagen. As restantes duas posições são ocupadas pela Mercedes, que coloca o Classe C em 9º com 5.112 unidades, cabendo à Ford encerrar a lista, com 4.949 Focus entregues a clientes.

Olhando as vendas por marcas, é de destacar o revés sofrido por três outras marcas germânicas: a BMW é a que mais cai (16%), seguida pela Opel (15%), embora a Mercedes também não tenha estado muito melhor. a marca da estrela segura a 2.ª posição entre as mais vendidas, mas em Maio escorregou 13%, trambolhão que se deve em, grande parte à travagem na procura do Classe C e Classe E, com quebras de 22% e 21%, respectivamente, face a Maio de 2017.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR