Bloco de Esquerda

BE quer negociar Orçamento do Estado com base em avanços, não em recuos

A coordenadora do Bloco de Esquerda afirmou que o partido vai negociar o Orçamento do Estado para 2019 com base em avanços e não em recuos e adiantou que não há nenhum ultimato ao Governo.

Tiago Petinga/LUSA

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) afirmou esta segunda-feira que o partido vai negociar o Orçamento do Estado para 2019 com base em avanços e não em recuos e adiantou que não há nenhum ultimato ao Governo.

O que já estava combinado [com o Governo] tem de andar para a frente (…). Vamos negociar o Orçamento do Estado para 2019, com base em avanços, nunca fazer recuos no que já tinha sido acordado”, afirmou Catarina Martins.

A coordenadora do BE deslocou-se ao Tortosendo, a terrenos situados à porta do Parque Natural da Serra da Estrela, para observar o processo de rearborização de 94 hectares de eucalipto.

Em declarações aos jornalistas, explicou que não fez qualquer ultimato ao Governo face às negociações para o Orçamento do Estado para 2019.

Tenho dito todos os dias a mesma coisa e vou repeti-lo. Nós achamos que aquilo que já foi legislado tem de estar resolvido antes do próximo orçamento”, sustentou.

E avançou com exemplos práticos daquilo que já foi acordado com o Governo, como o descongelamento das carreiras dos funcionários da função pública, incluindo as questões do tempo de serviço dos professores e de outros ou o compromisso que foi feito para combater a precariedade.

“Está na lei e é para cumprir antes do OE para 2019. É preciso que estas coisas sejam decididas antes do Orçamento do Estado para 2019. Não há nenhum ultimato. Há é a determinação de sempre do BE de trabalhar setorialmente, dossiê a dossiê, em avanços. O que não aceitamos é que alguém queira negociar recuos”, concluiu.

No domingo, em Vila Nova de Gaia, o ministro dos Negócios Estrangeiros avisou o Bloco de Esquerda para que não “ceda à tentação de fazer ultimatos” na negociação do próximo Orçamento do Estado, cuja aprovação diz abrir caminho à renovação do acordo à esquerda em 2019.

O que é preciso fazer é negociar sem ultimatos”, sustentou Augusto Santos Silva, acrescentando: “O Partido Socialista tem-no dito com toda a clareza, o Partido Comunista Português tem-no dito com toda a clareza, ao Partido Ecologista Os Verdes nunca lhes ouvi dizer o contrário, mas o Orçamento precisa do voto dos quatro partidos que constituem a atual maioria parlamentar”.

Neste sentido — sustentou, sem nunca se referir diretamente ao BE — “é muito importante que nenhum dos partidos que constituem hoje a maioria parlamentar ceda à tentação de estabelecer, implícita ou explicitamente, qualquer tipo de ultimato”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)