Condecorações

Presidente da República condecorou atriz Carmen Dolores

152

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou a atriz Carmen Dolores, de 94 anos, com as insígnias de Grande-Oficial da Ordem do Mérito.

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou esta quarta-feira a atriz Carmen Dolores, de 94 anos, com as insígnias de Grande-Oficial da Ordem do Mérito.

A condecoração foi atribuída no Teatro da Trindade, em Lisboa, no final da estreia da peça “Carmen”, que é inspirada nas memórias da atriz. No final da cerimónia, os amigos e colegas de carreira que, a pedido de Carmen Dolores, assistiram ao espetáculo, subiram ao palco para, juntamente com outras personalidades presentes, aplaudirem a atriz pela homenagem que lhe foi prestada.

O Presidente da República também assistiu à estreia de “Carmen”, uma peça inspirada nas memórias de Carmen Dolores, que constitui uma homenagem do Teatro da Trindade à atriz, que ali se estreou no cinema e no teatro, com Marcelo Rebelo de Sousa a entregar a condecoração. Marcelo Rebelo de Sousa visitou os espaços públicos do teatro, onde foi inaugurada uma exposição-instalação alusiva à carreira da atriz, assistiu à peça e à exibição de um vídeo sobre a carreira de Carmen Dolores.

Inspirada no livro “Vozes dentro de mim”, editado em 2017, e com elementos de duas outras obras de memórias da atriz, “Carmen” foi uma ideia do diretor artístico do Trindade para homenagear Carmen Dolores, que se estreou em cinema e teatro no Trindade, primeiro com o filme “Amor de Perdição”, de Leitão de Barros, aí exibido pela primeira vez em 1943, e, dois anos mais tarde, em “Electra, a mensageira dos deuses”, de Jean Giraudoux, com encenação de Francisco Ribeiro (Ribeirinho).

A partir desta quarta-feira, a sala principal do Teatro da Trindade passa também a ter o nome da atriz, que se retirou dos palcos em 2005 ao fim de 60 anos de carreira.

“Carmen” tem texto dramatúrgico e encenação de Diogo Infante e interpretação de Natália Luiza, assinalando também o regresso desta atriz ao palco, dez anos depois da última peça representada. Coproduzida pelos teatros da Trindade e Meridional, de que Natália Luiza é codiretora artística, com Miguel Seabra, “Carmen” vai estar em cena até 29 de julho. Tem espetáculos de quarta-feira a sábado, às 21h30, e, aos domingos, às 16h30, exceto dia 15, em que o espetáculo será às 21h30, na que é a última de quatro representações integradas no 35.º Festival de Almada.

Nascida em Lisboa, a 22 de abril de 1924, Carmen Dolores fez carreira na rádio, tanto a ler poesia como teatro radiofónico, no cinema e no teatro. “Copenhaga”, no Teatro Aberto, com encenação de João Lourenço, foi a peça com que, em 2005, se despediu dos palcos após uma carreira de 60 anos. O grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, atribuído pelo então Presidente da República Jorge Sampaio, a Medalha de Ouro da Câmara Municipal de Lisboa, o prémio Sophia de Carreira, da Academia Portuguesa de Cinema, e o Prémio António Quadros de Teatro constam também do palmarés da atriz.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)