Rádio Observador

Panteão Nacional

Marcelo quer Sá Carneiro e Soares no Panteão

450

O Presidente da República considerou que tanto Francisco Sá Carneiro como Mário Soares merecem honras de Panteão Nacional, como "pais da democracia portuguesa".

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O Presidente da República considerou esta quarta-feira que tanto Francisco Sá Carneiro como Mário Soares merecem honras de Panteão Nacional, como “pais da democracia portuguesa”, e que cabe ao parlamento definir regras estáveis quanto a esta matéria.

Parecia-me justíssimo e parece-me justíssimo, num caso como noutro caso. São pais da democracia portuguesa. Isso parece incontestável. Parece-me que o parlamento tem de definir regras que não tenham de mudar todos os anos”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, prometendo aceitar “o que for votado pela Assembleia da República”.

O chefe de Estado falava à saída de uma sessão solene na Reitoria da Universidade de Lisboa, após ser questionado sobre a proposta da concelhia de Lisboa do PSD de que os restos mortais do fundador deste partido e antigo primeiro-ministro Francisco Sá Carneiro sejam trasladados para o Panteão Nacional.

O Presidente da República recuperou a resposta que deu “quando se falou na hipótese ou na proposta ou na sugestão de haver uma homenagem ao Presidente Mário Soares precisamente análoga àquela de que se fala agora para o antigo primeiro-ministro Francisco Sá Carneiro”. No seu entender, ambos merecem honras de Panteão Nacional, “isso parece incontestável”, mas a Assembleia da República “tem de definir regras” que sejam estáveis, “para evitar melindres — que neste caso não surgem, mas que podem surgir noutros casos”.

Segundo o chefe de Estado, o parlamento tem duas opções: “Se sente que há homenagens que devem ser feitas, naturalmente que o quadro legislativo deve ser suficientemente flexível para permitir essas homenagens. Se sente, pelo contrário, que, uma vez feita a homenagem num determinado momento, há que deixar correr um período de tempo, e depois é discutível qual, legisla nesse sentido”.

“Cabe à Assembleia da República — e o Presidente da República aceita o que for votado pela Assembleia da República –, obviamente, definir critérios”, acrescentou. No início deste mês, no Porto, Marcelo Rebelo de Sousa manifestou-se totalmente de acordo em que sejam concedidas honras de Panteão Nacional ao antigo chefe de Estado, antigo primeiro-ministro e fundador do PS Mário Soares, que morreu no dia 07 de janeiro de 2017.

“Eu concordo plenamente. E isso dá razão a uma observação que fiz há uns tempos, de que se devia pensar a lei para não ter de ser mudada com esta periodicidade. Devia ser repensada para ter a latitude suficiente para poder abarcar situações como esta, justíssima, do Presidente Mário Soares”, declarou, na altura.

Na terça-feira, a concelhia de Lisboa do PSD divulgou um comunicado com a proposta de “que sejam concedidas honras de Panteão Nacional aos restos mortais de Francisco de Sá Carneiro”, que morreu em 04 de dezembro de 1980 na queda de um avião em Camarate, “homenageando o democrata e político, o cidadão corajoso que lutou afincadamente pelas causas da liberdade, igualdade, solidariedade, justiça, democracia e dignidade da pessoa humana”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Panteão Nacional

O Panteão não é para todos? /premium

Paulo de Almeida Sande

Não, o Panteão não pode ser para todos. Primeiro porque não caberíamos lá (mas isso resolve-se). E porque se todos fossemos para o Panteão é como se ninguém fosse para o Panteão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)