Noruega

“A casa deste urso foi invadida por turistas”. Abate de urso polar gera onda de críticas

493

Um urso polar foi abatido por ter atacado um dos seguranças de um cruzeiro de turismo na ilha de Svalbard, na Noruega. A empresa responsável afirmou que o abate se tratou de um "ato de auto-defesa".

O comportamento dos ursos polares na região da Noruega tem vindo a mudar nos últimos anos, como resultado da crescente aproximação dos humanos ao seu território.

AFP/Getty Images

O abate de um urso polar por um segurança de um cruzeiro na ilha de Svalbard, na Noruega, deu início a várias críticas sobre o impacto do turismo na região e nos comportamentos dos animais. Segundo o The Guardian, o animal foi morto a tiro no sábado por um segurança, depois de este ter atacado outro guarda do cruzeiro.

O ataque ocorreu quando os turistas do cruzeiro MS Bremen desembarcaram em Svalbard, localizada numa região entre a Noruega e o Polo Norte, conhecida pelos seus glaciares, renas e ursos polares. Negar Etminan, porta-voz da empresa alemã Hapag Lolyd Cruises, que opera o cruzeiro, disse que um dos seguranças “foi atacado por um urso polar e foi ferido na cabeça”, tendo o animal sido abatido “num ato de auto-defesa”.  O porta-voz acrescentou ainda que todos os navios que passam pela ilha são obrigados a ter seguranças contra ursos polares.

Em comunicado no Facebook, a empresa reforçou que “os ursos polares só são observados a bordo dos navios, com uma distância de segurança”. Para os turistas poderem observar mais de perto os animais, é necessária uma licença, explicou. Para essa licença ser obtida, “os guardas de ursos polares, após avistarem os animais, vão em primeiro lugar sozinhos e sem passageiros, para ter a certeza que não há ursos no local. Assim que um animal desses se aproxima, a licença é imediatamente cancelada”.

A empresa contou também que “como as tentativas dos outros guardas para expulsar o animal não foram bem sucedidas, teve que haver uma intervenção em legítima defesa para proteger a vida do guarda”. O segurança ferido foi levado de helicóptero para Longyearbyen e não corre perigo de vida.

Depois da divulgação das imagens, rapidamente uma onda de críticas surgiu nas redes sociais, alertando sobretudo para o impacto que o turismo poderá estar a ter naquela região. O comediante Ricky Gervais não poupou as críticas: “Vamos aproximar-nos de um urso polar no seu habitat natural e depois matá-lo se ele se aproximar muito. Idiotas”.

“A casa deste urso polar foi invadida por turistas do cruzeiro de turismo da Hapag Lolyd Cruises. Ele defendeu-se a si mesmo e à sua casa, ferindo um «guarda contra ursos polares». Depois foi abatido. Fica aqui o pensamento: porque não ver os ursos de longe e deixá-los sozinhos?”, questionou uma internauta.

Svalbard tem cerca de 3.000 ursos polares (mais animais do que população humana). Segundo o Express, o comportamento destes animais tem vindo a mudar nos últimos anos, como resultado da crescente aproximação dos humanos ao seu território. Em 2011, um estudante britânico foi morto numa visita de estudo. Há três anos, um homem checo que viajou para ver o eclipse solar sofreu ferimentos na cara e nos braços depois de ser atacado na sua tenda.

Os ursos polares são considerados uma espécie “vulnerável” à extinção pela União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN). Nesta região da Noruega, está previsto o desembarque de 18 cruzeiros na próxima semana para visitarem o arquipélago.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)