Índia

Monções no sul da Índia causam 37 mortos e 37 mil desalojados

Pelo menos 37 pessoas morreram e 37 mil ficaram desalojadas no estado indiano de Kerala (sudoeste da Índia) devido a inundações repentinas e deslizamentos de terras causados pelas monções.

PRAKASH ELAMAKKARA/EPA

Pelo menos 37 pessoas morreram e 37 mil ficaram desalojadas no estado indiano de Kerala (sudoeste da Índia) devido a inundações repentinas e deslizamentos de terras causados pelas monções que atingem a região desde quarta-feira. O estado, apreciado pelos turistas pelas suas praias com palmeiras e plantações de chá, recebe fortes chuvadas todos os anos durante a estação das monções, mas a precipitação tem sido particularmente forte este ano.

Os residentes deslocados “foram levados para 350 centros de acolhimento em todo o estado”, indicou um coordenador regional citado pela agência France-Presse (AFP).

O exército foi requisitado para missões de resgate depois de dois dias de chuvas fortes terem forçado as autoridades a abrir as comportas de 27 reservatórios para escoar o excesso de água. Num dos casos, a represa não era aberta há 26 anos. “O nosso estado enfrenta uma devastação sem precedentes”, escreveu, no Twitter, o responsável do executivo de Kerala, Pinarayi Vijayan.

“Perderam-se várias vidas. Centenas de casas foram totalmente destruídas”, lamentou, ao mesmo tempo que saudou o trabalho das equipas de socorro, que vieram de todo o país.

Mais de um milhão de turistas visitaram Kerala no ano passado, segundo estatísticas oficiais. Os desastres meteorológicos são comuns no sul da Ásia na época mais intensa das monções, em julho e agosto, quando muitas vezes deixam centenas de mortos e milhões afetados na região.

Em agosto de 2017, cerca de 700 pessoas morreram no norte da Índia devido a incidentes relacionados com as fortes chuvas, sendo mais afetados os estados de Bihar e Uttar Pradesh.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)