Rádio Observador

Auto

Sentámos Lisboa à nossa mesa

A Tia Cátia levou-nos a passear por alguns lugares da capital, que a inspiram a fazer da sua e da nossa mesa, um espaço sempre original e apetitoso.

Muitos conhecem o “drama” doméstico de pensar no que cozinhar ao almoço e ao jantar, todos os dias. Os chefs mais ainda, uma vez que há pouco lugar para repetições junto dos vorazes seguidores, que ali vão buscar inspiração.

Questionámos – e desafiámos – Cátia Goarmon (a super chef Tia Cátia) a mostrar alguns ambientes estimulantes, bem como os pratos que estes inspiraram.

Percorremos a cidade a bordo de um SEAT Ibiza, um citadidino, igualmente estimulante – já que foi galardoado com o Reddot Design Award 2018 –, começámos a viagem pelos onze hectares do Jardim de Campo Grande, ou Jardim Mário Soares. Inaugurado em 1950, faz, há décadas, as delícias das famílias que vivem em Lisboa. A de Cátia Goarmon não foi exceção. Era para aqui que vinha com os pais e irmãos passear e andar de barco no lago. Hoje, há quem aproveite para fazer a sua corrida matinal ou jogar padel, mas também para fazer piqueniques. E o que é que a Tia Cátia recomenda nesse caso? Mini pizas de curgete e chuchu, o tradicional – e sempre celebrado – Pão com chouriço e uns deliciosos Petit four de amêndoa, que satisfazem, com toda a certeza, os paladares mais requintados.

A arte de bem cozinhar

Outro local que inspira esta chef que se auto intitula “apresentadeira” (numa mistura de apresentadora e cozinheira) é uma sala de teatro. Afinal, atores e cozinheiros trabalham ambos em direto, na hora e para um público que mostra de imediato a sua apreciação pelo trabalho feito.

Assim, surfando nas colinas da cidade lisboeta, fazendo uso de um dos muitos elementos de segurança e funcionalidade , o Sistema “Hill Hold” do SEAT Ibiza (que não deixa o carro descair mesmo quando a inclinação é acentuada), leva-nos até ao Teatro da Trindade, da Fundação Inatel, onde o edifício, inaugurado em 1867, continua a receber espetáculos de companhias das mais diversas proveniências e estilos. Em breve receberá “A pior comédia do mundo”, de Michael Frayan (1982), com encenação de Fernando Gomes, e “Credores”, de August Strindberg e encenação de Paulo Pinto.

Para a ceia da noite de estreia de qualquer um destes espetáculos, a Tia Cátia propõe um Caldo verde reinventado, mais suave, sem batata mas com chouriço e altamente reconfortante; queques de bacalhau e quinoa, a lembrarem pastéis de bacalhau, mas com um twist; e milho doce, para terminarem a refeição em beleza, enquanto se brinda ao espetáculo decorrido, às deixas não ditas, mas também às sequências de diálogos e silêncios tão perfeitos que deixarão um brilho nos olhos de todos quantos comungarão daquela noite, naquela sala. Nessa ceia futura, seguir-se-á um brinde à companhia e à chef, que entretanto regressa ao presente e leva-nos por novos caminhos.

Segue-se, agora, para a outra banda, Almada. Afinal, é deste lado – também ele fervilhante de vida – que se tem uma das melhores vistas sobre Lisboa. E mudar de perspetiva é, frequentemente, a melhor forma de se manter acesa a chama da criatividade na cozinha. Em lume baixo, médio ou alto.

Estamos no miradouro Boca do Vento, um local ajardinado mesmo em cima do rio Tejo. Daqui, vemos a Ponte 25 de Abril e uma paisagem que merece ser partilhada em qualquer hora, mas que tem toques de magia ao pôr-do-sol. Num ambiente assim, a Tia Cátia propõe um Paté de cavala com tostas, numa procura de renovar o interesse por um peixe pouco considerado mas tão saboroso, Magret de pato com couscous de citrinos e espargos verdes e um Creme de lima com gelado de baunilha. Basta pensar no menu para desejarmos que este manjar se torne realidade. Para isso não é preciso muito: é só seguir as indicações da chef e começar a fazer os convites. Não faltarão interessados na sua versão particular destes pratos, servida no lado de lá da capital. Afinal, como diz Cátia Goarmon: “A cozinha sabe muito melhor se for vista de várias perspetivas”.

Receitas da Tia Cátia

– Mini-pizas de curgete e chuchu

Ingredientes

• 100g chuchu ralado
• 100g curgete ralada
• 1 ovo
• 1 colher de sopa de orégãos
• 150g queijo mozzarella ralado
• 1 colher de sopa de amido de milho
• 100g cogumelos
• 1⁄2 chávena de polpa de tomate
• Manjericão
• Queijo parmesão ralado
• Sal
• Pimenta

Preparação

1. Deite a curgete e o chuchu numa taça, junte o ovo batido, uma colher de sopa de orégãos, 150g de queijo mozzarella ralado, o amido de milho, o sal e a pimenta. Envolva tudo.

2. Coloque o preparado num tabuleiro forrado com papel vegetal, formando pequenas circunferências com aproximadamente 10 a 12 cm e leve ao forno durante 20 minutos a 200ºC.

3. À parte, disponha os cogumelos laminados num recipiente e tempere com sal e pimenta.

4. Tire as pizzas do forno e cubra-as com a polpa de tomate. Disponha os cogumelos e o restante queijo ralado e leve ao forno, pré-aquecido a 200ºC por 10 minutos.

5. Retire e acrescente o queijo parmesão e o manjericão picado.

Dica: pode substituir a curgete e o chuchu por couve-flor ralada

– Paté de Cavala

Ingredientes

• 2 cavalas em filetes
• 2 limões (sumo)
• 1 ovo cozido
• 50g de pickles variados
• 1 colher de sopa de ketchup
• 1 colher de sopa de maionese
• Salsa picada
• Sal
• Mistura de pimentas (moinho)
• Tostas

Preparação

1. Comece por marinar os filetes das cavalas em limão, sal e a mistura de pimentas moídas durante 1h.

2. Pique os pickles e o ovo e reserve.

3. Escorra a cavala e esmague-as com um garfo, junte o ovo cozido, os pickles, a maionese, o ketchup e a salsa picada. Retifique os temperos e sirva com tostas.

– Caldo verde sem batata

Ingredientes

• 2 cebolas
• 2 curgetes médias
• 1 chuchu
• 1 nabo
• 1 dente de alho
• 1 chouriço
• 100 ml azeite
• 400 g de couve galega cortada em caldo verde
• Sal q.b.
• Pimenta q.b.
• 1l água

Preparação

1. Corte as cebolas em rodelas fininhas. Refogue-as, num tacho, com azeite e tempere com sal, a gosto.

2. Junte as curgetes, o alho, o chuchu e o nabo descascados e cortadas aos cubos, deixe cozinhar por 5 minutos sem água, em lume brando.

3. Adicione 1l de água quente e o chouriço inteiro e deixe ferver durante 20 minutos.

4. Retire o chouriço e triture a sopa.

5. Acrescente a couve e deixe cozer por mais 10 minutos, retifique os temperos de sal e pimenta.

6. Corte o chouriço em fatias e distribua pelas taças no momento de servir.

Saiba mais em https://observador.pt/seccao/diarios-de-bordo/

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)