Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O valor das habitações compradas com recurso a empréstimos bancários atingiu o nível mais alto desde que o Instituto Nacional de Estatística disponibiliza estes dados (setembro de 2008), com o preço médio por metro quadrado a atingir os 1.187 euros em julho, mais sete euros do que em junho. Nesse mês, havia batido pela primeira vez o máximo histórico fixado na primeira metade de 2010.

O preço da habitação voltou a aumentar em julho em quase todo o país — com exceção das regiões autónomas da Madeira e dos Açores –, e o valor a que os bancos estão a avaliar as habitações cuja compra está a financiar está a níveis cada vez mais altos.

A média nacional atingiu os 1.187 euros em julho, mais sete euros que no mês anterior e mais 70 euros por metro quadrado do que o que acontecia um ano antes.

Em média, a habitação é mais cara na região do Algarve, onde a média da avaliação feita pelos oito bancos consultados pelo INE atingiu os 1.524 euros por metro quadrado. Em comparação com o mês de junho deste ano, o valor da avaliação subiu 21 euros. Face ao que acontecia há um ano, a subida é mais significativa: 120 euros por metro quadrado a mais do que em julho de 2017.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

É no Algarve que os bancos fazem as mais altas avaliações dos apartamentos comprados com recurso a empréstimos bancários, chegando aos 1.550 euros, mais 25 euros que no mês anterior e 161 euros quando comparando com os valores registados um ano antes.

A Área Metropolitana de Lisboa é a segunda região onde os preços são mais elevados, mas no caso das moradias vendidas chega a bater o Algarve, com o preço a atingir os 1.520 euros por metro quadrado, sendo que, só no último mês, o valor da avaliação bancária aumentou 38 euros. Em comparação com a avaliação que era feita há um ano, o valor por metro quadrado das moradias aumentou 165 euros.

Mas não é só nestas regiões que os valores estão a subir. De acordo com o INE, no norte do país o valor da avaliação bancária das habitações aumentou 7,9% em comparação com julho de 2017, sendo que o preço dos apartamentos cresceu 9%.

Os dados apresentados pelo INE demonstram o preço por metro quadrado da habitação que é objeto de financiamento bancário e para o qual é feita uma avaliação técnica de cada imóvel para determinar o valor do empréstimo que o banco está disposto a conceder. Para recolher estes dados, o INE recorre a oito bancos, conseguindo assim cobrir cerca de 90% de todo o crédito à habitação concedido em Portugal.

Os números apresentados para o mês são na verdade médias móveis de três meses, considerando assim o mês atual, neste caso julho, e os dois meses anteriores.