Rádio Observador

Orçamento do Estado

Governo pode viabilizar “taxa Robles” no próximo Orçamento

610

Sugestão do Bloco de Esquerda de taxar as mais valias de imóveis pode ser viabilizada pelo governo no próximo Orçamento, apesar das críticas do setor e da oposição. CDS chama-lhe a "taxa Robles".

EDUARDO COSTA/LUSA

O Governo pode viabilizar a taxa contra a especulação imobiliária proposta pelo Bloco de Esquerda (BE) para o Orçamento do Estado do próximo ano. A ideia, a que o CDS deu o nome de taxa Robles — na sequência do caso do prédio em Alfama detido pelo antigo vereador Ricardo Robles que levou mesmo à sua demissão da Câmara de Lisboa — já estará a ser negociada desde maio e tem como objetivo travar o lucro excessivo com a compra e venda de imóveis, ao mesmo tempo que aumenta a receita fiscal, avança o Diário de Notícias.

Entre o “tecnicamente possível” e o “há caminho”, Catarina Martins acredita que a proposta do BE será aceite. Para a líder dos bloquistas, essa taxa seria mesmo a melhor solução para travar os excessos no mercado imobilário, mesmo que isso contrarie quem trabalha no setor e acredite que tal taxa não irá resolver os excessos. É o caso da Associação Portuguesas de Empresas de Mediação Imobiliária (APEMIP), para a qual a taxa especial para penalizar a rotação de compra e venda de casas “é uma medida populista, típica da aproximação de eleições, mas com consequências para a economia portuguesa que podem ser muito graves”, defende o seu presidente Luís Lima.

Embora não se conheçam ainda detalhes sobre a medida que estará a ser conversada à mesa do Orçamento do Estado para 2019, é quase certo que será aplicada a contribuintes individuais e também coletivos e inspira-se na tributação já existente sobre a especulação em bolsa.

A taxa Robles poderá assim avançar mesmo que as mais valias já sejam alvo de impostos. Atualmente, o lucro que resulta da venda de um imóvel já é tributado em 50%, em sede de IRS. A isto somam-se os encargos com a valorização, nos últimos 12 meses, nomeadamente com obras e outras despesas com imobiliárias ou o Imposto Municipal sobre a Transmissão Onerosa de Imóveis (IMT). O contribuinte só fica livre deste imposto se o imóvel em causa for de habitação própria e permanente e houver a intenção de reinvestir noutra casa, mas a nova casa tem de casa ter sido comprada entre os 24 meses anteriores e os 36 posteriores à venda do imóvel que gerou as mais-valias.

Para o CDS, a taxa só irá agravar o problema e revela que “o BE abriu a época das taxas e impostos”. Já o PSD, por exemplo, pela voz de Leitão Amaro diz que “parece que é um impostos para esconder o embaraço com o caso Robles”. O então vereador do Bloco de Esquerda em Lisboa investiu um milhão de euros num prédio em Alfama colocando-o depois à venda por 5,7 milhões. A polémica obrigou-o a demitir-se.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)