Rádio Observador

Brexit

Jeremy Corbyn, líder do partido trabalhista, admite pedir novo referendo do Brexit

110

O líder dos Trabalhistas britânicos, Jeremy Corbyn, garante que se os congressistas reunidos na conferência anual do partido quiserem um novo referendo ao Brexit, ele irá defendê-lo.

ANDY RAIN/EPA

O líder dos trabalhistas britânicos, Jeremy Corbyn, garante que se os congressistas reunidos na próxima conferência anual do partido quiserem um novo referendo ao Brexit, ele irá defendê-lo. Corbyn deixa o ónus sobre os membros do partido, mas o sinal está dado: o partido trabalhista, onde se incluem defensores da saída e, também, da permanência na União Europeia, pode aproveitar o momento de fragilidade de Theresa May e do partido conservador — onde se admitem eleições antecipadas — para tornar-se o maior partido defensor de nova consulta popular.

Na véspera do congresso do partido trabalhista, Corbyn afirmou que a sua ação é “definida pela democracia que existe no partido” — pelo que irá “aderir” a qualquer decisão que venha a sair deste encontro. Corbyn explicou que, na sua opinião, seria preferível pedir eleições antecipadas, mas se a decisão dos congressistas for no sentido de pedir um segundo referendo, esse será o cenário pelo qual o líder trabalhista irá lutar nos próximos tempos.

A declaração, citada pela imprensa britânica, marca uma inversão da posição oficial de Corbyn, que sempre disse que queria respeitar o resultado do referendo de junho de 2016. Corbyn, que foi uma voz pouco ativa durante a campanha do Brexit, tem estado sob pressão de uma ala significativa do partido para que os trabalhistas defendam uma nova consulta popular no momento em que se conhecer o resultado das negociações em curso entre o governo de May e Bruxelas.

Um segundo referendo é o cenário preferido pela maioria dos trabalhistas britânicos — segundo uma sondagem recente, mais de 75% dos trabalhistas querem esse segundo referendo. Mas a liderança do partido tem hesitado em pedir essa nova consulta popular porque houve vários municípios controlados pelo partido que votaram, maioritariamente, pela saída.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)