Incêndios

Rescaldo do incêndio prossegue e autarquia pensa já na reflorestação em Sintra-Cascais

221

O presidente da Câmara de Cascais disse que o fogo que deflagrou no sábado à noite na serra de Sintra continua em rescaldo e é altura de preparar a limpeza e reflorestação da área ardida.

RODRIGO ANTUNES/LUSA

O presidente da Câmara de Cascais disse que o fogo que deflagrou no sábado à noite na serra de Sintra continua em rescaldo e é altura de preparar a limpeza e reflorestação da área ardida com espécies autóctones.

“A situação está controlada, durante a noite vão manter efetivos ainda assim com bastante reforço no terreno, a nível de Proteção Civil, mas também com a chegada dos militares que irão fazer o patrulhamento da serra”, explicou à Lusa Carlos Carreiras (PSD).

O autarca acrescentou que, a par dos trabalhos de controlo da frente ativa do incêndio que deflagrou, pelas 22:50 de sábado, na zona da Peninha, a tarde de domingo foi também ocupada com “as equipas para lançar os trabalhos de limpeza, logo que seja possível”.

“A preocupação vai também para toda a logística para reflorestar a serra, utilizando para isso o nosso banco genético florestal, que tem 5.000 árvores e arbustos de espécies autóctones”, frisou.

Os trabalhos de reflorestação devem ter lugar após a limpeza da área ardida, com a consolidação natural dos terrenos, por causa da eventual erosão provocada pelas chuvas.

“Este incêndio na verdade não começou no concelho de Cascais e não foi propagado em partes mais críticas, que seriam de floresta mais densa, porque tem vindo a ser trabalhada e ordenada, e isso tem levado a que tenhamos tido bons resultados”, salientou Carlos Carreiras, confrontado com críticas para a falta de limpeza das áreas florestais na serra.

O adjunto do comando nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Pedro Nunes, disse à Lusa que o incêndio no Parque Natural de Sintra-Cascais “está em rescaldo e já em vigilância” e que se encontram “no terreno 550 operacionais, apoiados por 148 veículos”.

“Os meios aéreos entraram de manhã, para resolver a frente que estava ativa, reabastecendo no aeródromo de Tires e foram ficando durante o dia”, explicou o comandante Pedro Nunes.

As operações, com o apoio dos meios aéreos, consistiram durante o dia na “consolidação do rescaldo, com apoio de máquinas de rasto”.

O comandante distrital de Lisboa da ANPC, André Fernandes, precisou à Lusa que durante o dia operaram no ataque às chamas e no apoio ao rescaldo “seis aviões anfíbios, um helicóptero pesado e helicóptero ligeiro”.

Apesar das indicações favoráveis em termos de ventos, o comandante André Fernandes frisou que os meios vão manter-se no terreno “para evitar algum problema”, incluindo os três pelotões militares, e admitiu que o incêndio possa ser considerado extinto “durante o dia de amanhã [segunda-feira]”.

“Este padrão meteorológico é propício ao desenvolvimento e propagação dos incêndios”, salientou, por seu lado, o comandante Pedro Nunes, notando a importância de respeito pelas proibições decorrentes do “prolongamento do período crítico” de incêndios.

O incêndio deflagrou no sábado, na Peninha, na serra de Sintra, distrito de Lisboa, e alastrou depois ao concelho de Cascais. Foi dominado pelas 10:45 de hoje.

O fogo provocou 21 feridos ligeiros, entre os quais dez operacionais e um civil que foram levados para o hospital e dez bombeiros que foram assistidos no local e regressaram ao combate ao incêndio.

Cerca de 300 pessoas foram retiradas do parque de campismo da Areia, e outras 47 foram levadas de suas casas, localizadas em toda a área do fogo, nomeadamente nas localidades de Biscaia, Almoinhas Velhas e Figueira do Guincho.

Segundo as autoridades, não há habitações atingidas pelo incêndio.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)