Assalto em Tancos

Tancos. Azeredo Lopes está disponível para depôr

256

O ex-ministro da Defesa diz estar disponível para ser ouvido pelo Ministério Público. Ex-chefe de gabinete disse no DCIAP que informou Azeredo Lopes do memorando sobre a recuperação das armas.

As armas roubadas foram recuperadas na madrugada de 18 de outubro de 2017

PAULO CUNHA/EPA

O ex-ministro da Defesa, Azeredo Lopes, diz ter “total e completa disponibilidade e interesse” em ser ouvido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) sobre o caso de Tancos, noticiou a agência Lusa. Depois de ter sido implicado pelo ex-chefe de gabinete, o tenente-general Martins Pereira, é natural que Azeredo Lopes venha a ser chamado a prestar declarações, mas, em resposta, ao Observador, a Procuradoria-Geral da República (PGR) esclareceu que, “neste momento”, o DCIAP não tem “qualquer diligência agendada no âmbito da designada ‘Operação Húbris'”.

Face às notícias de hoje [quinta-feira] sobre o chamado ‘caso de Tanco’, contactei o DCIAP, tendo manifestado, com respeito pleno pela autonomia decisória da PGR [Procuradoria-Geral da República], a minha total e completa disponibilidade e interesse em ser ouvido pela investigação deste caso”, disse José Azeredo Lopes, numa declaração enviada à Lusa.

Numa nota enviada ao Observador, a PGR confirma que “Azeredo Lopes manifestou junto do DCIAP a disponibilidade e interesse em ser ouvido no âmbito do processo”, acrescentando que o Ministério Público “fará todas as diligências que considerar necessárias à descoberta da verdade”, neste como noutros inquéritos.

António Costa diz que espera que os “eventuais cúmplices e encobridores” no caso do aparecimento das armas de Tancos sejam responsabilizados. Na reação à notícia de que o ex-ministro da Defesa, Azeredo Lopes, tinha sido informado do encobrimento feito por elementos da Polícia Judiciária Militar, o gabinete do primeiro-ministro diz ao Observador que “o PM não comenta questões objeto de investigação criminal. Limita-se a desejar que as autoridades competentes, com a maior brevidade possível, esclareçam cabalmente o ocorrido, responsabilizando os autores do furto e seus eventuais cúmplices e encobridores, sejam quem forem“.

O alegado envolvimento de Azeredo Lopes terá sido confirmado pelo antigo chefe de gabinete. Segundo o jornal Público, o tenente-general Martins Pereira, interrogado durante cinco horas no DCIAP esta quarta-feira, disse que tinha informado o então ministro da Defesa, Azeredo Lopes, do memorando sobre o roubo das armas dos Paióis Nacionais de Tancos. Na sequência dessa notícia, o Diário de Notícias avançou esta quinta-feira que, depois de ter sido implicado pelo ex-chefe de gabinete, Azeredo Lopes será chamado a prestar declarações.

Durante o interrogatório, o tenente-general Martins Pereira confirmou que recebeu o memorando do coronel Luís Vieira, ex-diretor da Polícia Judiciária Militar (PJM), agora em prisão preventiva, e do major Brazão, porta-voz da Política Judiciária Militar, agora em prisão domiciliária. Esta informação já era conhecida desde dia 10 de outubro, mas, nessa altura, Martins Pereira afirmava que não tinha identificado qualquer facto que indiciasse uma irregularidade ou indicação de encobrimento de eventuais culpados do furto de Tancos.

Esta quarta-feira, o tenente-general Martins Pereira disse aos procuradores do Ministério Público que tinha passado imediatamente a informação do memorando ao ministro da Defesa via WhatsApp — uma aplicação que encripta (codifica) telefonemas e mensagens escritas —, noticiou o Público. O ex-chefe de gabinete colocou o telemóvel à disposição dos investigadores para que se apurassem as suas declarações. O militar saiu do interrogatório como testemunha, sem ter sido constituído arguido.

Quando foi interrogado, o ex-diretor da Polícia Judiciária Militar, Luís Vieira, afirmou que tinha entregue um relatório formal da ocorrência em papel timbrado e assinado. Este sábado, o jornal Expresso publicou o memorando, mas o documento a que teve acesso não tinha data nem assinatura.

Atualizado com a declaração de Azeredo Lopes, às 14h10

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)