Se Florentino Pérez já tinha pensado em despedir Julen Lopetegui minutos depois da vitória com o Viktoria Plzen, como foi noticiado esta semana, a reação depois da goleada sofrida no Clássico não poderia ser muito diferente. Aliás, houve só uma diferença – ao contrário do que aconteceu na passada terça-feira, José Ángel Sánchez, diretor geral do Real Madrid, não deverá sequer ter tentado dissuadir o líder dos merengues de tomar decisões a quente. O antigo selecionador espanhol, grande aposta para suceder a Zinedine Zidane, será despedido nas próximas horas e existem poucas dúvidas em relação ao sucessor, que pode ser anunciado ainda esta segunda-feira: Antonio Conte, antigo treinador do Chelsea.

No entanto, e num exemplo do estado de sítio que se vive no Real Madrid, o capitão Sergio Ramos já comentou a possibilidade na zona mista de Camp Nou, deixando um recado para a decisão que a estrutura diretiva irá tomar nas próximas horas.

“Sempre disse o mesmo, a saída ou não do treinador é uma decisão que não passa pelas nossas mãos. Estamos até à morte com o nosso treinador que está sempre no comando, as decisões são tomadas pelas estruturas acima de nós. Veremos o que se passa nas próximas horas. Se uma alteração no comando técnico muda alguma coisa? Cada um é livre de dar a sua opinião e devemos respeitar as mesmas. Temos de esperar, embora ainda não tinham dito nada. São decisões que não passam por nós, da nossa parte devemos fazer a autocrítica, refletir e a partir daí virar esta série”, comentou o central.

“Tive sempre uma relação muito boa com todos os técnicos e tudo o que tenho para dizer, digo em privado e só a eles. Hoje não é um momento para falar. É normal que o mister assuma a palavra e comunique quais são os seus sentimentos. É melhor da nossa parte ficarmos à margem porque são situações complicadas e pode haver depois reações que não são adequadas. Se me convence alguém com mão dura como Conte? O respeito ganha-se, não se impõem. Não falo de nenhum nome. Ganhámos tudo com os treinadores que vocês conhecem porque no final a gestão do balneário é mais importante do que o conhecimento técnico que um treinador possa ter”, rematou ainda sobre os sucessores possíveis de Lopetegui.

Da parte do técnico, que poderá ter direito a indemnização de 18 milhões de euros (valor remanescente até ao final do contrato), era notória a resignação pela goleada sofrida, ao mesmo tempo que deixou algumas farpas à estrutura do Real Madrid. Ainda assim, Lopetegui sabe que tem o destino traçado e, por desconhecer quando será tomada e anunciada a decisão de sair, acabou por fazer uma espécie de despedida dos jogadores no balneário de Camp Nou após o encontro.

“É uma derrota dura, ainda mais por ser no campo do Barcelona. Fico com a sensação que tivemos a oportunidade de dar a volta ao jogo: na primeira parte eles foram melhores, mesmo sem muitas ocasiões, mas na segunda a equipa esteve muito melhor e tivemos oportunidade para voltarmos a entrar na partida. Por azar e com o golo do Suárez que fez o 3-1, essa ilusão acabou mas o resultado não reflete a realidade do que se passou”, comentou sobre o jogo. “A responsabilidade desportiva cai sempre em cima do treinador mas aqui ganhamos e perdemos todos. Estamos onde estamos mas estou convencido que o Real Madrid vai celebrar no final da temporada. Temos de insistir para nos levantarmos e não nos deixarmos afundar”, completou.

A imprensa italiana, que “confirma” o compatriota como sucessor de Lopetegui, anunciou também esta noite que, este mês, o treinador recusou uma sondagem do AC Milan para saber as hipóteses que teriam com o antigo selecionador transalpino e técnico da Juventus caso Gattuso rescindisse. No entanto, a abordagem foi recusada por esperar que surgisse uma oportunidade… Real (tinha sido ventilado o interesse na sua contratação), que pode também envolver algum dinheiro porque Antonio Conte não abdica dos dez milhões que receberia pelo último ano de contrato com os blues.