Rádio Observador

Migração

União Europeia quer usar detectores de mentiras para apanhar migrantes ilegais nas fronteiras

333

A União Europeia anunciou um projeto de deteção de mentiras, que visa identificar migrantes ilegais nas fronteiras da Hungria, Grécia e Letónia. O projeto está a suscitar críticas a nível mundial.

Fronteira entre a Sérvia e a Hungria

AFP/Getty Images

A União Europeia (UE) quer implementar um sistema de deteção de mentiras, que visa identificar migrantes ilegais nas fronteiras com mais movimento, nomeadamente as da Hungria, da Grécia e da Letónia. O sistema de inteligência artificial irá ser testado nestes três países, mas já conta com várias críticas a nível mundial, que acusam a UE de promover pseudociência.

O “detetor de mentiras” irá analisar micro-expressões dos migrantes que tentarem entrar na União Europeia, de maneira a ver se o que eles dizem sobre si e sobre as suas intenções é verdadeiro ou falso. Para isso, este sistema de inteligência artificial criou um guarda de fronteira, sob a forma de animação, que será personalizado consoante o género, a etnia e a língua do migrante e que lhe fará perguntas através de uma webcam.

Os refugiados considerados pelo guarda como sendo de “baixo risco” terão de fazer uma nova avaliação da sua informação; aqueles considerados de “alto risco” ficam sujeitos a uma análise mais aprofundada.

O procedimento é o seguinte: o guarda irá usar um dispositivo manual para cruzar informações automaticamente, comparando imagens faciais capturadas durante a fase de pré-triagem com aquelas que tenham sido tiradas em travessias anteriores — que já se encontram nos passaportes dos migrantes.

Na fase seguinte, os documentos pessoais são verificados novamente, a impressão digital é confirmada e faz-se o scan da palma da mão e a correspondência facial do migrante. Aqui, o “nível de risco” quanto ao passageiro será de novo calculado pelo guarda de fronteira, que irá determinar o seu futuro.

O projeto foi financiado pela União Europeia com um fundo de 4,5 milhões de euros. De acordo com o coordenador do projeto, George Boultadakis, estão a ser utilizadas tecnologias anteriormente testadas para dar mais poder aos guardas de fronteiras, de forma a que as análises aos migrantes sejam eficazes e rigorosas.

No entanto, o projeto tem sido alvo de várias críticas por parte de especialistas. Bruno Verschuere, professor de psicologia forense na Universidade de Amesterdão, disse ao jornal alemão De Volskrant que acreditava que o sistema daria resultados injustos, defendendo que “esta é a materialização de tudo o que pode correr mal com a deteção de mentiras” e que “não há fundamento científico para os métodos que estão a ser usados agora”.

Sinais não verbais, como micro-expressões, não dizem nada sobre se uma pessoa está a mentir ou não. (…) A partir do momento em que estes sistemas sejam postos em ação, nunca mais se deixará de utilizá-los. O público apenas vai saber das histórias bem sucedidas e não aquelas sobre os migrantes que foram parados injustamente”, frisou Verschuere.

O aparelho foi desenhado, em conjunto, pela polícia nacional da Hungria, pela alfândega da Letónia e pelas Universidades de Manchester e Leibnitz. Nos EUA, está a ser já desenvolvida tecnologia semelhante, onde o detetor de mentiras é usado por lei, apesar de todo o ceticismo em relação à sua utilidade. Bennett Kleinberg, professor assistente na University College London, afirmou a este respeito que o uso de um sistema de inteligência artificial deste tipo pode implementar uma fronteira de controlo pseudocientífica.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)