Brasil

Moro explica porque acha que não falhou promessa de não entrar na política: “Não pretendo jamais disputar um cargo eletivo”

587

O futuro ministro da Justiça de Bolsonaro diz que vai ocupar um "cargo técnico" e nunca irá a votos. Mas é acusado de ter negociado essa posição durante a campanha. Há 4 denúncias contra Sérgio Moro.

NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images

Sérgio Moro, o futuro ministro da Justiça do recém-eleito presidente brasileiro Jair Bolsonaro, disse que não há “demérito na política” e garantiu que vai ocupar um “cargo técnico” no novo governo para o qual foi convidado. “Não pretendo jamais disputar um cargo eletivo”, afirmou ainda, citado pelos jornais Estadão e Folha de São Paulo. As declarações do juiz que mandou prender o antigo presidente Lula da Silva no âmbito do caso Lava Jato foram feitas esta segunda-feira à noite, na abertura de uma conferência em Curitiba.

“Não me vejo ingressando na política, não me vejo como um político verdadeiro”, continuou, assegurando que vai para o Ministério da Justiça para ocupar uma posição “mais técnica”, o que envolve “conversar com as pessoas”. Antes de ir de férias, período que permitirá ao juiz iniciar “as preparações para a transição de governo e para os planos para o Ministério”, Moro referiu-se à apresentação de um pacote de ações já no início de 2019: “Será um pacote legislativo para apresentar com uma série de medidas anticorrupção e contra o crime organizado”.

Tal pacote, que segundo a Folha de São Paulo defende o reforço da independência da Controladoria-Geral da União, principal órgão de controlo interno do governo federal, contraria a posição indicada por Bolsonaro, que sugeriu, aquando do convite endereçado a Sérgio Moro, que este poderia incorporar a própria CGU.

Na sua intervenção de segunda-feira à noite, Moro disse ainda não acreditar que Jair Bolsonaro formará um governo autoritário e lamentou a sua saída da magistratura, ao fim de 22 anos.

Quatro denúncias contra Sérgio Moro

O Conselho Nacional de Justiça vai analisar quatro denúncias feitas contra o juiz escolhido por Bolsonaro para futuro ministro da Justiça. De acordo com o Folha de São Paulo, a Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABDJ) vai apresentar uma denúncia no CNJ contra Moro, para cobrar a esta entidade o “zelo pela insenção da magistratura, o respeito ao princípio da imparcialidade e a garantia da legalidade dos atos de membros do Poder Judiciário”.

A ABDJ justifica a sua atuação tendo por base o facto de, ainda na condição de magistrado, Moro ter atuado “como se político fosse, aceitando o cargo de Ministro da Justiça antes mesmo da posse do Presidente eleito” e pelo facto de ter “negociado o cargo durante o processo eleitoral, assumindo um dos lados da disputa”.

No texto assinado pela ABDJ, que pode ser lido na íntegra aqui, também se argumenta que o “ativismo do juiz Sergio Moro não abala apenas a segurança dos casos por ele julgados e a Lava Jato como um todo, mas transfere desconfiança a respeito da ética e da independência com que conduzirá também o Ministério da Justiça e da Segurança Pública, um ministério ampliado e com poderes amplos, no momento em que o país passa por grave crise democrática, em que prevalecem as ameaças e a perseguição aos que defendem direitos humanos e uma sociedade mais justa”.

As outras denúncias feitas contra Moro dizem respeito ao facto de o juiz ter pedido férias na passada segunda-feira, ao invés de ter optado pela exoneração, situação que lhe valeu críticas por parte de membros do CNJ. Em cima da mesa está ainda o caso em que Moro divulgou conversas de Dilma Rousseff e de Lula de “maneira inconstitucional”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Religião

O Dia Mundial da Religião

Donizete Rodrigues

O Dia Mundial da Religião é um momento ecuménico para promover a convivência, o interconhecimento e o diálogo inter-religioso, buscando um futuro livre de preconceito, discriminação e intolerância.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)