Rádio Observador

RTP

Trabalhadores precários com parecer positivo têm de integrar quadros

A ministra da Cultura garantiu esta terça-feira que os trabalhadores precários da RTP que já têm parecer positivo, no âmbito do programa de regularização laboral "terão de ser integrados nos quadros".

NUNO FOX/LUSA

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, garantiu esta terça-feira que os trabalhadores precários da RTP que já têm parecer positivo, no âmbito do programa de regularização laboral (PREVPAP), “terão de ser integrados nos quadros”.

Na audição parlamentar, na especialidade, sobre o Orçamento do Estado para a Cultura, Graça Fonseca — que tutela também a comunicação social — recordou aos deputados que na RTP, dos 300 trabalhadores precários, 130 tiveram parecer positivo para integração nos quadros da empresa e que na agência Lusa são 24 trabalhadores dos 47 que apresentaram o pedido de integração.

“O ponto de situação que temos sobre os ‘PREVPAP’ na RTP é que há 130 com parecer positivo e que estão dependentes de homologação final para integração nos quadros da RTP. A questão orçamental não se coloca. Os que já têm parecer positivo terão de ser integrados nos quadros. Os que não têm parecer positivo estão em audição de interessados e veremos qual o resultado final da comissão. Aguardamos pela pronúncia”, disse.

Quanto à agência Lusa, Graça Fonseca referiu que “são 24 com parecer positivo e em fase de audiência de interessados”.

O PREVPAP é o Programa de Regularização Extraordinária de Vínculos Precários da Administração Pública.

Na segunda-feira, cerca de meia centena de jornalistas, tradutores, locutores, repórteres de imagem, entre outros trabalhadores precários do universo RTP, protestaram em frente à estação televisiva, em Lisboa, contra a falta de respostas do Governo sobre a sua integração.

Os sindicatos da RTP (Sindicato dos Jornalistas, Sindicato dos Trabalhadores das Telecomunicações e Audiovisual e Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Telecomunicações e Audiovisual) manifestaram, em comunicado, solidariedade face ao protesto organizado pelo grupo de trabalhadores com vínculos precários na RTP, lamentando que, passados cinco meses após o prazo oficial para concluir o PPEVPAP, não tenha havido qualquer integração de trabalhadores, quer na RTP, quer na Lusa, ambas empresas do setor empresarial do Estado.

No início de outubro, os jornalistas precários da Lusa enviaram uma carta aberta ao Governo, Presidente da República e parlamento a pedir o fim do que dizem ser uma “ilegalidade” por ainda não estar finalizado o processo de integração nos quadros da agência.

Os profissionais recordam que, ao abrigo do PREVPAP os processos para a integração nos quadros da Lusa deveriam ter sido concluídos até a 31 de maio deste ano.

Ainda na área da comunicação social que tutela, Graça Fonseca afirmou, sem adiantar qualquer outra informação, que está previsto “um aumento de capital da RTP” e que aguarda que a Secretaria de Estado do Tesouro avance com o processo.

Questionada várias vezes sobre a imprensa regional, a ministra disse que o despacho sobre os incentivos relativos a 2018 ainda vai ser publicado e que para 2019 estão previstos quatro milhões de euros de incentivos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)