Califórnia

Cinco mortos em incêndios na Califórnia. 75 mil casas foram evacuadas

A força do vento acentuou-se na madrugada desta sexta-feira e as autoridades emitiram ordens de evacuação para cerca de 75 mil casas. Ardeu uma área equivalente a três vezes a cidade de Lisboa.

Pelo menos cinco pessoas morreram na sequência dos seis grandes incêndios que lavram na Califórnia desde quinta-feira, escreve o The New York Times. Os cadáveres foram encontrados no interior de carros carbonizados que foram incendiados na zona de uma comunidade de reformados.

As autoridades norte-americanas ordenaram esta sexta-feira a evacuação da cidade costeira de Malibu, no estado da Califórnia, devido a um dos incêndios — que aliás já tinha obrigado à retirada de pelo menos 30 mil pessoas na última noite.

[Veja no vídeo como uma família sobreviveu ao atravessar uma estrada rodeada de chamas, na Califórnia]

De acordo com a agência de notícias Associated Press, a força do vento acentuou-se na madrugada desta sexta-feira e as autoridades emitiram ordens de evacuação para cerca de 75 mil casas.

Neste momento, segundo o jornal USA Today, os incêndios já queimaram mais de 283 quilómetros quadrados (quase três vezes a área da cidade de Lisboa).

Já esta manhã, o departamento de bombeiros de Los Angeles partilhou no Twitter uma “mensagem de segurança urgente” explicando que “o fogo saltou a autoestrada n.º 101” e que todos os habitantes de Malibu deveriam “abandonar a área imediatamente”. “Ameaça iminente!”, lê-se na mensagem.

O incêndio obrigou também ao encerramento de escolas e universidades, que foram evacuadas na manhã desta sexta-feira. O jornal USA Today detalha que várias universidades iniciaram protocolos de recolher obrigatório para os alunos que habitam nas residências universitárias.

Segundo a mesma publicação norte-americana, o fogo mudou radicalmente de direção e em menos de 24 horas já havia consumido a cidade de Paradise (obrigando à evacuação de 27 mil pessoas) e saltado a autoestrada, dirigindo-se rumo ao mar.

Estivemos rodeados pelo incêndio, estávamos a conduzir com fogo dos dois lados da estrada“, afirmou à imprensa norte-americana o agente da polícia Mark Bass, residente em Paradise.

Neste momento as autoridades identificam pelo menos seis fogos ativos, sendo que aquele que se estende até à cidade de Malibu, famosa pelas suas praias e por ser o local de residência de inúmeras celebridades internacionais, ainda não está controlada.

Várias celebridades também tiveram de ser retiradas das suas casas, entre elas a modelo Kim Kardashian, que ali reside. “Acabei de aterrar e tive uma hora para fazer as malas e para evacuar a nossa casa. Rezo para que toda a gente esteja bem”, disse a celebridade, citada pelo USA Today.

Até agora o único registo de vítimas é a existência de alguns feridos em Paradise, mas ainda não há números finais.

Já na manhã desta sexta-feira o vice-governador da Califórnia, Gavin Newsom, tinha declarado o estado de emergência para a área atingida pelo incêndio e solicitado ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a declaração do estado de emergência federal, uma vez que a previsão é que as condições meteorológicas se prolonguem por vários dias.

Os incêndios graves na Califórnia estão a tornar-se mais frequentes e violentos, visto que, de acordo com o registo oficial de 1932, quatro dos cinco incêndios mais destrutivos da história do estado ocorreram nos últimos seis anos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)