Instituto Camões

Instituto Camões realiza formação para jornalistas timorenses em literacia orçamental

O instituto Camões, em parceria com a União Europeia (UE), realiza uma formação sobre "literacia orçamental" no âmbito de um projeto de apoio à melhoria do setor das finanças públicas do país.

O instituto Camões, em parceria com a União Europeia (UE), realiza este mês uma formação sobre “literacia orçamental” para jornalistas timorenses, no âmbito de um projeto de apoio à melhoria do setor das finanças públicas do país. O coordenador geral da Unidade de Implementação do Camões do Programa da UE explicou que a formação envolve o Cenjor e o Consultório da Língua para Jornalistas.

Numa nota enviada à Lusa, Rui Nelson Dinis afirma que se pretende “melhorar as capacidades de compreensão dos jornalistas em matérias relativas à supervisão e fiscalização das finanças públicas, de modo a reforçar os níveis de conhecimento sobre o processo Orçamental do Estado”.

A iniciativa visa ainda “contribuir para o processo de aprendizagem e compreensão das políticas de finanças públicas, apoiar o desenvolvimento de uma técnica de informação isenta e profissional sobre a supervisão das finanças públicas (e) reforçar as capacidades analíticas e de investigação económico-financeira” dos jornalistas.

A ação formativa arranca com um debate sobre o papel da imprensa na supervisão das finanças públicas e inclui vários módulos sobre o processo orçamental.

Cofinanciado pela UE e implementado com o modelo de cooperação delegada pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, o projeto “Parceria para a melhoria da prestação de serviços através do reforço da Gestão e Supervisão das Finanças Públicas em Timor-Leste” (PFMO) é um dos mais amplos programas de apoio institucional em Timor-Leste.

O projeto conta com um financiamento de 12 milhões de euros, através do 11.º Fundo Europeu de Desenvolvimento e de cerca de 600 mil euros do instituto Camões, e divide-se em dois componentes essenciais, nomeadamente o apoio orçamental ao Ministério das Finanças e o fortalecimento e capacitação institucional.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Língua Portuguesa

A política da língua

Miguel Tamen
171

Uma consequência de se aceitar que o estado não deve legislar sobre religião é aceitar-se que não deve legislar sobre a língua.

Crónica

As aventuras da coerência /premium

Paulo Tunhas

Até certa altura pensei que a chamada “esquerda” era depositária da tradição de liberdade e garantia da democracia. Mas uma observação das suas reacções políticas mostra algo diferente e inquietante.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)