Rádio Observador

Bruno de Carvalho

Perícias, testemunhas, provas e Bruno de Carvalho: as 4 razões do MP para prolongar a investigação de Alcochete

O Ministério Público quer mais 6 meses para concluir a investigação às agressões na Academia de Alcochete. Há testemunhas por ouvir e perícias "atrasadíssimas" consideradas fundamentais.

As detenções de Bruno de Carvalho e Nuno Vieira, conhecido como Mustafá, fazem subir para 45 o número de arguidos do processo

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O pedido foi feito pela procuradora Cândida Vilar a 7 de novembro. Num documento de quatro páginas, a magistrada do Ministério Público, que tem a cargo a investigação das agressões à equipa do Sporting na Academia de Alcochete, em maio, explica ao juiz de instrução Carlos Delca em que ponto está a investigação e procura sustentar a necessidade de declarar a especial complexidade do processo. Dito de outra forma: Cândida Vilar pede mais seis meses para investigar o caso e explica porquê.

No requerimento, apurou o Observador junto de fonte conhecedora do processo, a magistrada é clara: “É seriamente de prever que a investigação não se mostre concluída no prazo de seis meses”, que terminaria a 15 de novembro — ou seja, na próxima quinta-feira. Nesse cenário, as consequências seriam imediatas: não estando ainda pronta uma acusação, os arguidos detidos teriam de ser libertados, por se ter esgotado o prazo de prisão preventiva, mesmo tendo em conta que “ainda se verificam e densificam os perigos de fuga e de alarme social“, além do risco de perturbação do inquérito.

Com a declaração de especial complexidade do processo, os prazos duplicam — e os detidos podem continuar sujeitos à medida de coação máxima durante mais meio ano, enquanto o MP continua a investigar. E isso, diz a procuradora, também não é “especialmente gravoso para os arguidos, atenta a própria gravidade dos factos que lhes são imputados e da pena de prisão que, previsivelmente, lhes será aplicada”.

Dos 45 arguidos do processo, por suspeitas de participação no ataque à Academia de Alcochete, 38 estão em prisão preventiva (RUI MINDERICO/LUSA)

E haverá ainda muito por fazer, segundo Cândida Vilar. Há provas que ainda não foram analisadas, testemunhas que é preciso ouvir (como Jorge Jesus, que o MP não conseguiu notificar) e perícias muito (mesmo muito) atrasadas.

O tamanho do processo — e a quantidade de provas recolhidas

Desde 15 de maio de 2018, data em que foi aberta a investigação, o processo foi crescendo. Tem agora 25 volumes, 45 arguidos constituídos, dos quais 38 em prisão preventiva. A estes últimos poderá ainda juntar-se Bruno de Carvalho e Nuno Vieira, conhecido como Mustafá, detidos no domingo passado e que ainda aguardam primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação. Além disso, ao inquérito original juntaram-se outros quatro, que foram anexados.

A procuradora Cândida Almeida lembra que, até agora, foram feitas “múltiplas diligências de investigação”, nomeadamente escutas telefónicas para “delimitar a ação do grupo” detido na sequência das agressões e que, entre outros crimes, está indiciado por terrorismo.

As escutas juntaram-se aos muitos objetos apreendidos, em buscas e no momento das detenções: drogas, armas, munições, roupas, telemóveis e outros aparelhos tecnológicos e informáticos. Objetos que foi preciso submeter a exames periciais “para consolidar a matéria de prova” — muitos ainda por fazer.

Os cartões de memória, os cartões SIM e as listas de faturação detalhada

A análise a cada um dos objetos apreendidos é considerada “fundamental para o cabal esclarecimento dos factos”, mas, quase seis meses depois da invasão da Academia do Sporting, muitos dos resultados pedidos continuam por chegar. A procuradora Cândida Vilar destaca, sobretudo, as perícias aos telemóveis — e aos problemas em várias frentes na recolha de todos os dados relacionados com mensagens, chamadas ou localização celular dos suspeitos.

A começar pelas perícias dos telemóveis, cartões SIM, cartões de memória e computadores, para as quais não há “por ora, data prevista para a sua conclusão” segundo informação prestada pela secção de recolha de prova digital da Direção de Investigação Criminal da GNR, a quem cabe fazer esses exames. Uma informação que só chegou ao Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa a 6 de novembro (na véspera do requerimento) e que só então permitiu à equipa do MP perceber “o estado atrasadíssimo das perícias”.

Muitos dos elementos apreendidos aos arguidos como prova foram recolhidos durante as detenções e nas buscas que se seguiram (CARLOS SANTOS/LUSA)

Cândida Vilar não quer abdicar desses dados. Diz que o conteúdo dos telemóveis é “absolutamente essencial para cruzar informação”, para perceber “no todo, em que circunstâncias, de tempo e modo, foi planeado o ataque”.

Além disso, as listas de chamadas e de mensagens, detalhadas na faturação dos números e telemóveis dos arguidos, também ainda estão a ser analisadas. Mais a mais, detalha a magistrada, esses dados, solicitados às operadoras de telecomunicações, “apenas recentemente” foram recebidos, o que “dificulta o trabalho de análise” que, espera o MP, permitirá determinar relacionar as datas do factos com os arguidos e o local onde estavam naquele exato momento.

As testemunhas ainda por ouvir – e Jorge Jesus

Será uma das revelações mais surpreendentes do pedido de prolongamento do prazo da investigação: o MP não consegue “localizar e notificar” Jorge Jesus. Porquê? “Por motivos que se prendem com as autoridades sauditas, o mesmo só pode regressar ao país em dezembro de 2018”. O antigo treinador do Sporting está agora aos comandos do Al Hilal, na Arábia Saudita.

Não fica claro se esses eventuais obstáculos das autoridades sauditas têm impedido a notificação ou se a vinda do técnico a Portugal. Seja como for, Jesus é apontado como uma das testemunhas que o Ministério Público ainda quer ouvir, por se considerar que o relato que fará, quer do dia das agressões, quer dos anteriores, será “absolutamente essencial para o esclarecimento das circunstâncias em que foi ordenado o ataque” já que ele próprio teve “conversas particulares com o ex-presidente do Sporting”. A procuradora Cândida Vilar quer ouvir esse relato na primeira pessoa, e não por “terceiros, de ouvir dizer aquilo que o próprio sabe”.

Os novos suspeitos — e a iminência da detenção de Bruno de Carvalho

À data do requerimento, o antigo presidente do Sporting não era ainda arguido ou detido no processo. Só viria a sê-lo quatro dias depois, no domingo passado, mas o envolvimento de Bruno de Carvalho, aos olhos da investigação, há muito que era antecipado. Basta lembrar que o próprio assumiu que tinha ido ao DIAP, a 11 de outubro, por se falar na sua eventual detenção e para mostrar disponibilidade para responder às dúvidas que a investigação pudesse ter.

A GNR e o MP só lhe bateriam à porta exatamente um mês depois, mas já no pedido de especial complexidade do processo a procuradora Cândida Almeida falava nas “fortes suspeitas da participação de outros elementos na preparação execução dos factos”, apuradas no andamento da investigação, sempre “dinâmica” e que ainda “prossegue o seu curso. Também isso serviria para sustentar a necessidade de mais tempo, tendo em conta não só a “grande complexidade” das provas recolhidas a analisar, mas também as que estavam “em vias de recolha”, sendo por isso necessário alargar os prazos máximos da prisão preventiva aplicada aos suspeitos.

Num erro processual, o pedido do Ministério Público acabou por ter resposta imediata — com a concordância do juiz de instrução, que declarou a especial complexidade –, mas a decisão teve de ser revertida. A lei obriga que todas as partes sejam ouvidas, quer os arguidos, quer os queixosos.

Anulado o despacho, conta uma fonte ao Observador, o juiz Carlos Delca apressou-se a fazer as notificações. Alguns arguidos foram notificados nas celas, outros através dos advogados. Terão todos até ao dia 18 para se pronunciarem, ainda que dificilmente o magistrado mude de opinião e decida, afinal, não prolongar o prazo do inquérito. O que significa que o mais provável é que os detidos permaneçam em prisão preventiva durante mais seis meses e a investigação possa continuar até maio de 2019.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)