Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Na cronologia de acontecimentos que resultaram na detenção este domingo de Bruno de Carvalho, antigo presidente do Sporting, e Nuno Mendes, conhecido pela alcunha “Mustafá” e líder da claque Juventude Leonina, há um episódio poucas vezes recordado que faz agora soar campainhas.

Dia 7 de abril, cerca de cinco semanas antes da invasão de adeptos de rosto tapado ao centro de treinos do Sporting, em Alcochete, a tensão entre o presidente do clube e os jogadores tinha atingido grandes proporções, com um comunicado subscrito pelos atletas a queixarem-se de falta de solidariedade do presidente, na sequência das suas críticas públicas à equipa e a jogadores (nomeadamente Fábio Coentrão, Bas Dost, Gelson Martins e Fredy Montero) depois da derrota contra o Atlético de Madrid, para a Liga Europa.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.