Rádio Observador

Nigéria

Pelo menos 44 soldados e nove agricultores mortos em ataques do Boko Haram na Nigéria

O grupo de rebeldes extremistas Boko Haram matou 44 soldados em ataques numa base militar e nove agricultores no nordeste da Nigéria, desde o fim-de-semana, numa nova demonstração de força.

Apesar das alegações do Governo de que o Boko Haram está prestes a ser derrotado, recentemente o grupo intensificou os seus ataques contra alvos e militares causando várias mortes

STRINGER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O grupo de rebeldes extremistas Boko Haram matou 44 soldados em ataques numa base militar e nove agricultores no nordeste da Nigéria, desde o fim-de-semana, numa nova demonstração de força a três meses da eleição presidencial, foi esta terça-feira divulgado.

Segundo fontes de segurança, homens do Estado Islâmico na África Ocidental (ISWAP) mataram pelo menos 44 soldados em ataques a três bases militares no fim-de-semana.

Só o ataque a uma base em Metele, uma aldeia remota perto da fronteira com o Níger, provocou, no domingo, 43 mortos, de acordo com um oficial do exército sob condição de anonimato, que indicou na segunda-feira, não ter o balanço. “As nossas tropas foram completamente derrotadas e os terroristas tomaram a base depois de longos combates”, explicou uma fonte do exército nigeriano.

O comandante da base e três outros oficiais estão entre as vítimas, disse a mesma fonte, acrescentando que as buscas por possíveis sobreviventes ou outros cadáveres continuam, no mato. “Esta é uma das maiores perdas que sofremos em termos de homens e equipamentos em operações de contra-insurgência”, afirmou outra fonte militar. “Estamos a falar de mais de 40 soldados mortos, armas e veículos a ser levados pelos terroristas do Boko Haram”, acrescentou.

Segundo um miliciano, os atacantes chegaram a bordo de cerca de vinte camiões. “O apoio aéreo (do exército) veio após os insurgentes invadiram a base e roubarem as armas”, o que lhes permitiu recuperar o controlo da base, explicou.

No mesmo dia, os jihadistas atacaram outra base, em Gajiram, a 80 quilómetros de Maiduguri, onde os combates duraram várias horas, disseram os moradores, sem relatar vítimas. Um soldado também foi morto num ataque a Mainok, segundo fontes de segurança, elevando assim a 44 o número de vítimas mortais desde o fim-de-semana.

O ISWAP reivindicou os ataques de Metele e Mainok, alegando ter matado pelo menos 42 soldados, segundo o grupo SITE Intelligence, que identifica e monitoriza ameaças e entidades internacionais extremistas.

Pelo menos nove agricultores morreram e outros 12 foram sequestrados esta terça-feira por jihadistas do grupo Boko Haram numa vila no nordeste da Nigéria.

Em 14 de novembro, militantes do Boko Haram atacaram Mammanti, matando uma pessoa e queimando a aldeia antes de levar centenas de cabeças de gado. Sete mulheres foram raptadas no mesmo dia perto da cidade de Bama, a 70 quilómetros de Maiduguri, enquanto trabalhavam nos campos sob a proteção de homens armados, segundo membros da milícia civil envolvidos contra o Boko Haram ao lado do exército nigeriano.

Os insurgentes atacam frequentemente comunidades agrícolas para roubar alimentos e sequestrar civis, muitas vezes forçados a se juntar às fileiras do grupo jihadista. Apesar das alegações do Governo de que o Boko Haram está prestes a ser derrotado, recentemente o grupo intensificou os seus ataques contra alvos e militares causando várias mortes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)