Ministério Dos Negócios Estrangeiros

Santos Silva contra ambiguidade quanto a regimes autoritários, três dias depois de receber Xi Jinping

982

Três dias depois de receber Xi Jinping, MNE diz que socialistas não podem "ser ambíguos" na hora de combater regimes autoritários, sejam eles de esquerda ou de direita, asiáticos ou sul-americanos.

Santos Silva falou apenas breves minutos no Congresso do Partido Socialista Europeu

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Augusto Santos Silva fez uma catarse política no Congresso dos Socialistas Europeus: façam o que eu digo, não façam o que eu fiz na terça-feira. Há três dias, o governo português recebeu de forma entusiástica o presidente de um regime autoritário, a China, mas esta sexta-feira disse que os socialistas europeus têm de lutar “contra qualquer forma de regime autoritário. Não podemos ser ambíguos seja esse regime de esquerda ou de direita, seja asiático, europeu ou sul-americano“. E repetiu: “Não podemos ser ambíguos”.

Ao ministro dos Negócios Estrangeiros coube apenas uma breve intervenção com as conclusões do painel que discutia a forma como uma aliança progressista podia defender e afirmar os valores sociais-democratas no mundo. A favor de Santos Silva está o facto de estar a fazer uma espécie de conclusão. Ainda assim, se ideologicamente os socialistas são contra ambiguidade, na realpolitik o governo socialista recebeu com pompa a China.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Mais do que definir o que é ser socialista e social-democrata, Santos Silva deixou claro aquilo que os socialistas têm sempre de combater: “Não podemos ser ambíguos na hora de lutar contra o autoritarismo, contra a ortodoxia neoliberal, e também não é legítimo, tendo em conta os nossos valores sociais-democratas, que as nossas posições sejam ambíguas na hora de combater a xenofobia, o discurso anti-imigração e o populismo.”

O presidente da China visitou Portugal nos dias 4 e 5 de dezembro. Augusto Santos Silva disse, ainda antes da visita oficial, que o momento seria “o assinalar da excelência das relações políticas e diplomáticas entre os nossos países, assim como do desenvolvimento da relação económica entre Portugal e a China.”

Numa entrevista ao semanário Sol dias antes da visita, Santos Silva também explicava que Portugal e China são países “amigos, mas não aliados”, mas destacava o bom momento que os países atravessam e como Pequim foi importante para a maior vitória diplomática portuguesa dos últimos anos: a escolha de António Guterres como secretário-geral das Nações Unidas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Greve

Há lodo no cais /premium

Luis Teixeira

As considerações jesuíticas que o CSM fez em causa própria, ao defender para os juízes a “dupla condição” de orgão de soberania e de “profissionais” não passam de um miserável exercício de hipocrisia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)