Menos de 40 mil manifestantes, dos quais dois mil em Paris, e bloqueios nas fronteiras marcaram este sábado o dia de ação do movimento “coletes amarelos” em França, ensombrado por uma décima morte na noite passada.

O sexto sábado de manifestações juntava 38.600 pessoas por toda a França às 18:00 locais (17:00 em Lisboa), contra as 66 mil de sábado passado à mesma hora, segundo o Ministério da Administração Interna francês. Duzentas pessoas foram identificadas, das quais 81 foram detidas.

Em Paris, a polícia contou dois mil manifestantes à mesma hora, contra o dobro no sábado passado. Foram identificadas 142 pessoas e 19 foram detidas.

Em Versalhes, onde os “coletes amarelos” tinham apelado para uma “marcha” até ao castelo, na esteira dos revolucionários de 1789 que aí desalojaram o rei de França (revolução francesa), não eram mais que cerca de seis dezenas, segundo a agência de notícias France Presse.

Os números marcam um novo esvaziar do movimento, iniciado há pouco mais de um mês. A primeira manifestação, a 17 de novembro, juntou 282 mil manifestantes, que passaram a 166 mil a 24 de novembro, a 136 mil a 01 e 08 de dezembro, e a 66 mil no dia 15, de acordo com dados oficiais (os “coletes amarelos” não fizeram qualquer estimativa).

Os “coletes amarelos” mais determinados tinham pedido para este sábado uma nova mobilização, apesar da votação no parlamento de medidas de emergência de 10 mil milhões de euros, destinados a reduzir a carga fiscal e aumentar o poder de compra, reivindicações emblemáticas do movimento.

As manifestações deste sábado também foram em grande parte calmas, em contraste com as imagens de guerrilha urbana do começo do mês. Nos Campos Elísios, o epicentro das manifestações, cafés e restaurantes puderam abrir normalmente, bem como quase todas as lojas.

Além de pequenos grupos de manifestantes nas ruas de Paris aconteceram muitas ações na província, com bloqueios dos “coletes amarelos”, mais ou menos longos, nas fronteiras com Espanha, Itália e Alemanha.

Centenas de “coletes amarelos” concentrados na portagem de Boulou, a última antes da fronteira espanhola no leste dos Pirenéus, deixaram passar os automóveis ligeiros mas bloquearam os camiões, símbolos das importações espanholas para França a preços baixos, segundo um manifestantes citado pela France Presse.

Uma intervenção policial obrigou os “coletes” a deixar a zona da portagem, que se juntaram numa ponte para atirar objetos para a estrada. Ao início da noite restavam na zona cerca de 200 pessoas.

Dois jornalistas do canal público France 2 Montpellier disseram à France Presse que foram “violentamente” atacados por manifestantes.

E em Perpignan um motorista morreu na madrugada de sexta-feira para sábado após embater um camião que estava bloqueado pelos “coletes amarelos”.

A France Presse dá ainda conta de distúrbios na fronteira com a Bélgica e de um bloqueio feito por 200 manifestantes na autoestrada no posto fronteiriço com a Itália de Ventimiglia. Em Estrasburgo uma centena de “coletes amarelos” bloqueou a estrada de acesso à Ponte da Europa, fronteira com a Alemanha, mas foram dispersados pela polícia.