Lua

Rover chinês já circula no lado oculto da Lua

O veículo que a China enviou para o lado oculto da Lua na nave que pousou na quinta-feira já saiu da rampa do módulo e está a mover-se na superfície lunar.

CNSA / HANDOUT/EPA

O veículo que a China enviou para o lado oculto da Lua na nave que pousou na quinta-feira já saiu da rampa do módulo e está a mover-se na superfície lunar.

Segundo a agência de notícias AP, o Rover Jade Rabbit 2 ou também chamado  Yutu 2, iniciou o passeio pela superfície na noite de quinta-feira, cerca de 12 horas após uma nave chinesa ter pousado pela primeira vez no “lado escuro” da Lua, aquele que nunca é visto da Terra. A saída do Rover foi confirmada com uma fotografia divulgada pela Agência Espacial Chinesa. Foi ainda partilhado um curto vídeo no Twitter da estação televisiva china.

O Jade Rabbit 2 tem seis rodas, todas com potência para que possa continuar a operar mesmo que uma delas falhe. Pode subir uma colina de 20 graus ou obstáculos de até 20 centímetros de altura. A velocidade máxima é de 200 metros por hora.

É um pequeno passo para o Rover, mas um passo gigante para a nação chinesa”, disse Wu Weiren, responsável do projeto, citado pela emissora estatal CCTV. “Este passo de gigante é decisivo para a nossa exploração do espaço e conquista do universo”, acrescentou.

Segundo a agência de notícias chinesa, citada esta sexta-feira pelo The Guardian, a sonda levou uma pequena planta chamada arabidopsis que é expectável que origine a primeira flor a nascer na lua. Além disso, também está previsto uma mini-biosfera de batatas, algodão, colza – uma planta de cujas sementes se extrai o óleo de colza -, mosca de fruta e fermento.

Explorar o cosmos do lado oposto da Lua poderá eventualmente ajudar os cientistas a perceber melhor os primeiros dias do sistema solar e até mesmo o nascimento das primeiras estrelas. Esta missão pode dar ainda novas pistas sobre o cataclismo de colisão que originou a lua, a sua evolução e como é que há tanta abundância de água no solo. Mas, isto só será possível através da realização de testes no solo lunático.

O objetivo desta sonda passa por testar o crescimento de plantas, captar sinais de radiofrequência,  normalmente bloqueados pela atmosfera terrestre e, ao mesmo tempo, e testar vestígios do Big Bang. As primeiras imagens da alunagem foram divulgadas esta quinta-feira.

O lado oculto da Lua é muitas vezes chamado de “lado escuro” por ser relativamente desconhecido, mas não porque não receba luz solar. Os Estados Unidos, a antiga União Soviética e a China enviaram naves espaciais para o lado da Lua virado para a Terra, mas a China foi o primeiro país a enviar uma sonda para o lado mais distante.

Os cientistas chamam precisamente o lado mais distante ao lado comummente chamado de “escuro”, ou “negro”, porque na verdade quando da Terra se vê a Lua Nova o Sol está a brilhar do outro lado, o lado que nunca se vê a partir da Terra.

“O outro lado vê o sol por vezes. O outro lado não é negro, é apenas longe”, disse o astrónomo Avi Loeb, acrescentando que falar do lado escuro da Lua “é um erro”.

O mito de que a Lua tem um lado sempre escuro surgiu de um programa de televisão em 1955 e foi popularizado com o álbum “The Dark Side of the Moon”, do grupo musical Pink Floyd.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)