Obras Públicas

Cerca de 400 alunos do Liceu Camões desfilaram até à Assembleia para exigir obras na escola

O Liceu Camões espera há anos por uma intervenção. Concurso para obras públicas foi lançado em meados do ano passado, envolvendo um investimento de 12,46 milhões de euros.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Cerca de 400 alunos da Escola Secundária de Camões, em Lisboa, estavam às 11h concentrados frente à Assembleia da República (AR) para exigir as obras prometidas para o antigo Liceu Camões. Os alunos, acompanhados por alguns pais e professores, saíram perto das 10h do Liceu Camões, na Praça José Fontana, e foram em desfile até ao parlamento.

Com muitas buzinadelas e apitos, os alunos gritam palavras de ordem como “obras já” e exibem cartazes, onde dizem “o teto cai-me em cima”, “as obras não eram em 2009?” e “por uma escola pública de qualidade para todos”.

Um concurso internacional para as obras de requalificação do edifício centenário do Liceu Camões, na praça José Fontana, que espera há anos por uma intervenção, foi lançado em meados do ano passado, envolvendo um investimento de 12,46 milhões de euros, mais do que o inicialmente previsto, segundo o Ministério da Educação.

Em fevereiro de 2018, os alunos do antigo Liceu Camões concentraram-se em frente à escola para exigir uma resposta da tutela às más condições do edifício. Nos cartazes que afixaram na altura à entrada da escola, para chamar a atenção para as falhas estruturais com que convivem todos os dias, os alunos recordaram que aguardam pelas obras desde 2011 e queixaram-se de problemas em diversos espaços, entre eles o ginásio, as oficinas de artes e alguns laboratórios de Biologia, recordando que o mau estado dos canos tem provocado diversas inundações. Na altura, os alunos recordaram ainda a queda de um teto numa sala de aula, depois de uma tempestade.

O antigo Liceu Camões é uma das escolas mais antigas da capital e chegou a ser transformado em hospital para acolher os doentes com a “gripe espanhola”, em 1918.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS, Público ou Privado?

Fernando Leal da Costa

Só com uma generalização obrigatória do modelo da ADSE poderemos colocar todo o sistema de saúde ao serviço de todos os portugueses e investir no SNS para aquilo em que ele for mesmo insubstituível.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)