Sondagens

Sondagem: PSD em crise e com queda das intenções de voto e Aliança com 4% das preferências

201

Eurosondagem diz que portugueses não rejeitam cenário de maioria absoluta do PS, mas intenções de voto caem. PSD atinge mínimos históricos. Aliança registou 4% das preferências dos inquiridos.

HUGO DELGADO/LUSA

O resultado mais baixo de Rui Rio desde que está na liderança do PSD, números satisfatórios para o novo partido de Santana Lopes e uma quebra do PS nas intenções de voto. As conclusões foram retiradas do estudo da Eurosondagem para o Expresso e para a SIC, divulgado esta sexta-feira, e mostram como os portugueses se sentem em relação a cada partido.

Começando pelo PSD, que está debaixo dos holofotes depois de Luís Montenegro ter desafiado a liderança de Rui Rio, os resultados fixam-se nos 24,8% de intenções de voto, uma queda de dois pontos percentuais em relação à última sondagem e, a confirmar-se, o pior resultado dos sociais-democratas numas eleições legislativas desde 1976, ano em que Sá Carneiro teve 24,3%.

Quem ganha força na primeira sondagem em que participa é o partido Aliança, de Santana Lopes, que registou 4% das preferências dos portugueses. Citado pelo Expresso, Rui Oliveira e Costa, da Eurosondagem, revelou que se o partido do ex-social-democrata conseguir alcançar estes valores nas eleições Europeias, em maio, consegue eleger Paulo Sande para o Parlamento Europeu.

Na altura em que Rui Rio entrou na liderança do PSD, as intenções de voto estavam nos 26,9%, de acordo com a Eurosondagem. Ainda no mesmo estudo divulgado esta sexta-feira, foi perguntado aos portugueses o que achavam da proposta do PSD para a reforma da justiça — que quer colocar o poder político a mandar nos órgãos de gestão e disciplinares das magistraturas através de uma “maioria efetiva de cidadãos”. E aqui há uma divisão: apesar de 42,9% dos inquiridos responder que aceita a ideia de Rui Rio, 40,4% diz não concordar com a proposta e 16,7% disse não saber ou não quis responder.

Do lado do PS de António Costa, a Eurosondagem revela que 55,7% não rejeita um cenário de maioria absoluta, apesar de 30,9% assumir que seria indiferente e apenas 26,8% achar que seria bom para o país. 30,7% diz ser negativo existir um Executivo socialista. Ainda que a maioria absoluta do PS seja uma hipótese relativamente aceite pelos portugueses, o inquérito revela que o PS registou uma queda de 1,8 pontos percentuais nas intenções de voto, para 40%.

Já o CDS, ao contrário do PSD, não foi afetado pela chegada do novo partido de Santana Lopes. Os centristas continuam com as intenções de voto perto dos 7%. Na esquerda, PCP e Bloco de Esquerda também mantêm os valores das intenções de voto.

Sobre os líderes portugueses, uma sondagem da Aximage para o Jornal de Negócios e Correio da Manhã, revelou que a popularidade do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, está em queda desde maio de 2018. Já o primeiro-ministro António Costa recuperou o primeiro lugar pódio de líderes partidários com melhor avaliação. Depois de, em dezembro, o lugar ter sido ocupado por Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, e por Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, Costa volta a ser o líder mais popular com uma nota de 10,2.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)