Venezuela

Venezuela. Líder do parlamento, opositor de Maduro, detido pelos serviços secretos

2.463

Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela e opositor de Nicolás Maduro, foi detido pelos serviços secretos depois de dizer que Maduro está a "usurpar" poder. Já foi libertado.

Juan Guaidó preside à Assembleia Nacional, onde a oposição tem a maioria

AFP/Getty Images

O presidente do parlamento da Venezuela, Juan Guaidó, opositor do presidente Nicolás Maduro, foi detido este domingo pelas forças de segurança venezuelanas, denunciou através do Twitter a esposa de Guaidó, Fabiana Rosales. O líder do parlamento acabou por ser libertado cerca de meia hora depois, mas ainda não se conhecem os motivos que levaram à detenção de Guaidó.

Recorde-se que Nicolás Maduro tomou posse na última quinta-feira para mais um mandato à frente do país, resultado das eleições antecipadas que decorreram em maio do ano passado. Se cumprir o mandato até ao final, Maduro ficará no poder até 2025.

No início de janeiro, antes da tomada de posse de Maduro, Juan Guaidó afirmou que a Assembleia Nacional, onde a oposição tem a maioria, não irá reconhecer a legitimidade da presidência de Maduro porque as eleições de maio foram “irregulares” e que, por isso, Maduro está a “usurpar” as funções de chefe de Estado.

“A presidência, a partir de 10 de janeiro, estará usurpada, porque estamos em ditadura, e recuperar a democracia não depende de uma lei ou de nomear alguém, depende de todos (…). Nicolás [Maduro], a 10 de janeiro, este parlamento não te ajuramentará”, disse.

A 21 de maio de 2018, um dia depois das últimas eleições presidenciais antecipadas na Venezuela, o parlamento denunciou os resultados, alegando irregularidades e o não respeito pelos tratados de Direitos Humanos ou pela Constituição da Venezuela.

Na última sexta-feira, no dia depois da tomada de posse de Maduro, o presidente do parlamento mostrou-se disponível para assumir a presidência interina do país, reforçando a ideia de que a presidência de Maduro é ilegítima. A ministra das Prisões, Iris Varela, respondeu a esta declaração afirmando ter uma cela pronta para ele “com o respetivo uniforme”.

De acordo com um vídeo divulgado nas redes sociais, Juan Guaidó foi detido enquanto se deslocava de carro para um evento público onde ia participar. O veículo de Guaidó foi parado por vários carros dos serviços de informações da Venezuela, que levaram o responsável.

No sábado, o Governo brasileiro de Jair Bolsonaro declarou apoio a Juan Guaidó e à sua proposta para “assumir constitucionalmente” a presidência venezuelana, contra a “ilegitimidade” de Maduro.

“O Brasil continua comprometido a ajudar o povo venezuelano a recuperar a liberdade e a democracia, e seguirá em coordenação com os demais atores imbuídos do mesmo propósito”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores brasileiro em comunicado.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)