PSD

Rio 2.0. A estratégia do (novo) líder do PSD explicada pelo próprio

410

Dirigiu-se uma última vez aos conselheiros, já perto das 4h da manhã, para explicar que ia mudar. Ouviu as críticas com "humildade" e disse-lhes o que queriam ouvir: agora sim, é hora de atacar Costa.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O cansaço não lhe tirava o sorriso quando Rui Rio falou — pela terceira e última vez da noite — aos conselheiros, a quinze minutos das quatro da manhã de sexta-feira. Vem aí um Rio 2.0, em modo campanha eleitoral, que só não é um Rio totalmente novo porque era este o plano inicial: um Rio a duas velocidades. Foi o próprio presidente do PSD que o disse na madrugada de sexta-feira, explicando aos conselheiros que vão passar a ver um novo Rio, mais emotivo a atacar o Governo e indisponível para acordos com o PS até às legislativas. Mais duro para fora, mas mais humilde para dentro, na resposta ao cartão alaranjado que o partido lhe deu. Repetiu a palavra “humildade” mais do que uma vez durante a noite.

No discurso final de um Conselho Nacional que decorreu durante onze horas à porta fechada, Rui Rio admitiu absorver as críticas que considerou mais justas para a sua estratégia.

Há coisas que eu ouvi e que meto no parâmetro da equação que tenho na minha cabeça para levar avante. Ter alguma humildade é um ato de inteligência, manter é um ato de estupidez. Tenho também de tirar o devido partido do que aqui ouvi”, admitiu.

Rio fez, no entanto, questão de dizer aos conselheiros que vai mudar a sua forma de atuação sobretudo porque se aproxima a campanha eleitoral, e não tanto por causa dos efeitos deste Conselho Nacional, que foi o culminar de uma guerra interna que se arrastava há meses. Mas deixou um pré-aviso: “Vou dizer-vos uma coisa que espero que percebam, principalmente aqueles que ainda não perceberam ou que têm dificuldade de perceber ao fim de tantos anos: a estratégia vai continuar a ser a mesma, mas não é por teimosia, nem é porque está na moção, é porque a estratégia foi desenhada no tempo conforme deve ser”.

Ou seja, há tempo para dar a mão e tempo para largar. Para Rio, quando ainda faltava mais de um ano para as eleições não se devia criticar o Governo por tudo e por nada.  “Uma coisa é o comportamento que devemos ter a quatro anos de eleições, a três anos de eleições, a dois anos de eleições, a um ano de eleições, a quatro meses de eleições. Tudo isto tem uma lógica no tempo”, explica. Tudo isto, garante, já estava previsto: “Não preciso de mudar a estratégia porque, dentro da estratégia, os comportamentos e a evolução mudam no tempo. Agora, fazer oposição a quatro anos de eleições não é a mesma coisa que em cima do ato eleitoral”. Agora é que vai ser.

O tempo de acordos com o PS acabou, já que “obviamente que não se fazem acordos a três, a quatro ou a cinco meses de eleições”, mas fê-los antes (na descentralização e nos fundos europeus) porque “podem fazer-se a uma distância maior”. Além disso, lembra Rio, nas intervenções críticas que fez ao governo não houve ninguém dentro do partido que criticasse propriamente “o conteúdo” da mensagem de oposição. O que criticavam era o tom, a forma, o timing, a maior ou menor habilidade. “Se pensarem bem”, disse Rio aos conselheiros tentando que pusessem a mão na consciência, “aquilo de que gostam menos não é tanto do conteúdo, o que criticam mais é a forma”. Mas também isso vai mudar: vem aí um Rio mais agressivo. “Vos garanto que a forma é a cada momento adequada às circunstâncias”. E agora é o tempo da agressividade, porque, antes, o “país” (ao contrário do “partido”) não quereria ver um líder da oposição a criticar o governo por tudo e por nada, quando o que o governo lhe vendia era um mar de rosas.

Rio insiste que é uma estratégia errada, “a uma distância grande das eleições”, o partido estar “permanentemente no bota-a-baixo e num tom comicieiro permanente”, já que, além de não ser o seu “estilo”, as “pessoas lá fora não gostam disso”. O que não significa que não vá subir o tom e carregar nas tintas nos próximos meses, na reta final: “Coisa diferente é estarmos já mais próximos de eleições em que aí é natural que cresça um pouco mais a emotividade“. E puxou dos galões da experiência política: “Já cá ando há muitos anos. Já fiz muito disto. Não sei se vou ter sucesso, mas sei o que faço. Sei o que estou a fazer.” Aqui houve aplausos apoteóticos e gritos de apoio: “PSD! PSD! PSD!”.

O presidente do PSD criticou depois aqueles que o acusam de ter um objetivo oculto de ser vice-primeiro-ministro só porque apoia alguma medida do governo que considera correta (“isso é destrutivo, isso é mau”). E disse ainda que também saberia ser eleitoralista, também saberia jogar o jogo da trica política, mas não o quer fazer: “Quando faço qualquer coisa é porque acredito mesmo. Não é por falta de jeito para isto. Eu sei como é que se faz à la carte, sei como é que se diz o que as pessoas querem ouvir, mas não é o meu estilo. Eu não estou aqui para dizer aquilo que as pessoas querem ouvir”. Se assim fosse, atira, “mandava fazer sondagens das bem feitas. E perguntava: ‘O que é que eles querem que eu diga?’ E eu repetia. Mas isso não é forma de fazer política”.

“Temos de chegar ao poder. É muito importante”

Apesar de garantir que não é o seu estilo dizer às pessoas aquilo que elas querem ouvir, naquele último discurso de vitória aos conselheiros Rui Rio escolheu as palavras para lhes dizer precisamente o que queriam ouvir: “Temos de chegar ao poder e isto é muito, muito importante”. Nesta fase, voltou ao discurso já conhecido do velho presidente do PSD. O líder da oposição quer “chegar ao poder em condições de valer a pena chegar ao poder”, rejeitando que o PSD chegue “ao poder a prometer o que não pode prometer ou a ter um comportamento que, não prometendo nada, cria a ilusão de que vai fazer diferente sem fazer diferente, que é o que está a acontecer a este Governo”.

E veio então a primeira referência ao primeiro-ministro, que é, de resto, um dos pilares dos argumentos dos críticos (que notam que, nas intervenções de Rio, mesmo que haja ataques ao governo não há nunca ataques diretos a António Cosa). Desta vez veio com o nome próprio: “António Costa também é habilidoso na forma de explicar as coisas” e, com essa manha política, “pode sempre dizer: ‘eu não disse’, mas comporta-se de forma tal que as pessoas pensam que ele disse”.

Rui Rio quer chegar ao poder com o mínimo de “amarras” possíveis, para ter mais liberdade na governação, fazendo uso de mais uma metáfora: “Namora mal, prometeu tudo à noiva e depois casou com a noiva, não deu nada, o casamento falhou. Aqui é a mesma coisa. Durante todo este período temos de nos dar a conhecer pela forma como somos para quando lá chegarmos, estarem à espera e saberem o que vamos fazer.” O presidente do PSD admitiu que nunca chegará ao poder como Marcelo Rebelo de Sousa, que conseguiu fazê-lo “totalmente sem amarras”, mas “esse é um caso absolutamente único.”

“Há males que vêm por bem”

Entre aplausos, Rio lembrou ainda que “há dois anos era difícil prever que o PS estivesse já tão em baixo como verdadeiramente está”, mas hoje “todos nós acreditamos que o PS pode perder as eleições” — mensagem que repetiria depois na curta declaração que fez aos jornalistas quando saiu da sala do hotel, já vitorioso. O ponto é: metade do caminho já foi percorrido, com o PS a colocar-se em condições de perder, agora falta a outra metade. “Compete ao PSD ser capaz de as ganhar”. Mas para isso, adverte, tem de acabar a guerrilha interna. “Não vamos ser hipócritas, não vale a pena ser hipócritas. Um ponto fundamental para a mensagem passar é não haver dentro do próprio partido, de forma permanente, os boicotes que têm havido”.

Rio espera que o Conselho Nacional seja um ponto de viragem nesse sentido. Espera que, “como diz o povo, há males que vêm por bem. Um Conselho Nacional que à partida era mau, porque há turbulência, pode ser um mal que vem por bem”. Para isso basta que os sociais-democratas sejam “capazes amanhã de começar uma nova etapa”. Rio não quer “unanimismo, mas que haja unidade”. E voltou a atirar farpas indiretamente a Montenegro, voltando ao velho Rio de 2018: “Eu aceito todas as divergências, que sejam sinceras e genuínas, não posso aceitar as que são taticamente fabricadas para parecer que se diverge”.

Rio quer “lealdade”. Mais do que “fidelidade”, disse, numa alusão à intervenção de Miguel Albuquerque, que destacou que “a fidelidade é uma coisa mais canina”. E aí concordaria com o que viria a dizer depois Luís Montenegro, no discurso do virar de página: que a batalha desta semana se transforme numa arma para ganhar a derradeira guerra. “Que possamos ganhar as eleições, não só as Europeias, mas também as legislativas”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Saúde

ADSE ou Ai do Zé?

Fernando Leal da Costa

Sejamos claros. O fim da ADSE, um dos seguros mais importantes na saúde dos Portugueses, determinará um acelerar vertiginoso do colapso assistencial do SNS, com tempos de espera infindáveis.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)