Segurança Alimentar

As laranjas da África do Sul à venda em Portugal não representam qualquer perigo para os consumidores, garante o Governo

336

A ASAE e o Ministério da Agricultura confirmam que não existem herbicidas ou inseticidas nas laranjas que são importadas da África do Sul e comercializadas em Portugal.

LUIS FORRA/LUSA

O Governo garante que as laranjas que foram proibidas na União Europeia sob suspeita de terem mais de 50 substâncias proibidas no espaço europeu não existem em Portugal. Segundo o Público, tanto a ASAE como o Ministério da Agricultura confirmam que não existem herbicidas ou inseticidas nos citrinos importados da África do Sul e comercializadas em Portugal.

Fonte do Ministério de Agricultura assegurou ao jornal que a UE tem “a legislação de segurança alimentar mais apertada do mundo” e que existe um sistema de alerta rápido caso algum produto que contenha substâncias proibidas seja detetado num estado-membro.

Na semana passada foi divulgado o estudo feito pela Unión de Llauradors, organização que reúne agricultores da Comunidade Valenciana, em que encontrou várias substâncias proibidas ativas nas laranjas importadas da África do Sul. O estudo classificou a existência de mais de 50 produtos utilizados para eliminar pragas e doenças nas plantas como inseticidas não permitidos nos EUA.

O Ministério de Agricultura explica que é emitido um alerta de imediato para todos os estados-membros se os alimentos provenientes de países terceiros — quer cheguem por via marítima ou aérea — violarem as regras da UE, para travar a sua circulação e proibir a sua entrada por outro meio. O aviso é feito através da rede RASFF, Sistema de Alerta Rápido para os Géneros Alimentícios e Alimentos para Animais, que notifica os “riscos directos ou indirectos para a saúde humana ligados a géneros alimentícios ou a alimentos para animais, e abrange os Estados-Membros, a Comissão e a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos”, segundo a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE).

Em Portugal, para além do RASFF, existe também o Plano Nacional de Pesquisa de Resíduos que analisa regularmente um conjunto de alimentos para assegurar que estão dentro das normas, seja qual for a sua origem.

A ASAE disse ao Público que tem implementado ações para garantir a segurança alimentar, especialmente frutas, “quer em estabelecimentos de comércio por grosso quer em estabelecimentos retalhistas e até mesmo em venda ambulante, verificando o cumprimento das informações disponibilizadas ao consumidor ao nível da rotulagem, rastreabilidade do produto e condições de armazenamento e conservação”.

A entidade pública acrescenta que as amostras adquiridas de laranjas, nos últimos dois anos, oriundas da África do Sul apresentam “resultados conformes” e que “através dos estudos realizados foram detectados múltiplos resíduos de pesticidas”, contudo a autoridade afirma que para a alimentação humana as substâncias estão dentro dos limites de segurança considerados legais. 

No entanto, é importante continuar a investigar e acompanhar o assunto, salienta a entidade e, “caso considere necessário, desenvolverá outras ações com a inclusão de colheitas de amostras de citrinos com origem na África do Sul”.

O eurodeputado Carlos Coelho (PSD) questionou a Comissão Europeia sobre as laranjas comercializadas em Portugal sublinhando que os consumidores devem ter a garantia de que os alimentos que compram na Europa são seguros, cabendo à Comissão e às suas agências executivas e aos Estados-membros esse escrutínio para garantir que todas as importações provenientes de outros países se pautam pelas mesmas normas”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igreja Católica

Tríptico europeu /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A Europa do terceiro milénio, perdida a sua identidade cristã, que era a razão de ser da sua unidade e grandeza, é um continente à deriva.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)