Rádio Observador

Segurança Alimentar

As laranjas da África do Sul à venda em Portugal não representam qualquer perigo para os consumidores, garante o Governo

336

A ASAE e o Ministério da Agricultura confirmam que não existem herbicidas ou inseticidas nas laranjas que são importadas da África do Sul e comercializadas em Portugal.

LUIS FORRA/LUSA

O Governo garante que as laranjas que foram proibidas na União Europeia sob suspeita de terem mais de 50 substâncias proibidas no espaço europeu não existem em Portugal. Segundo o Público, tanto a ASAE como o Ministério da Agricultura confirmam que não existem herbicidas ou inseticidas nos citrinos importados da África do Sul e comercializadas em Portugal.

Fonte do Ministério de Agricultura assegurou ao jornal que a UE tem “a legislação de segurança alimentar mais apertada do mundo” e que existe um sistema de alerta rápido caso algum produto que contenha substâncias proibidas seja detetado num estado-membro.

Na semana passada foi divulgado o estudo feito pela Unión de Llauradors, organização que reúne agricultores da Comunidade Valenciana, em que encontrou várias substâncias proibidas ativas nas laranjas importadas da África do Sul. O estudo classificou a existência de mais de 50 produtos utilizados para eliminar pragas e doenças nas plantas como inseticidas não permitidos nos EUA.

O Ministério de Agricultura explica que é emitido um alerta de imediato para todos os estados-membros se os alimentos provenientes de países terceiros — quer cheguem por via marítima ou aérea — violarem as regras da UE, para travar a sua circulação e proibir a sua entrada por outro meio. O aviso é feito através da rede RASFF, Sistema de Alerta Rápido para os Géneros Alimentícios e Alimentos para Animais, que notifica os “riscos directos ou indirectos para a saúde humana ligados a géneros alimentícios ou a alimentos para animais, e abrange os Estados-Membros, a Comissão e a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos”, segundo a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE).

Em Portugal, para além do RASFF, existe também o Plano Nacional de Pesquisa de Resíduos que analisa regularmente um conjunto de alimentos para assegurar que estão dentro das normas, seja qual for a sua origem.

A ASAE disse ao Público que tem implementado ações para garantir a segurança alimentar, especialmente frutas, “quer em estabelecimentos de comércio por grosso quer em estabelecimentos retalhistas e até mesmo em venda ambulante, verificando o cumprimento das informações disponibilizadas ao consumidor ao nível da rotulagem, rastreabilidade do produto e condições de armazenamento e conservação”.

A entidade pública acrescenta que as amostras adquiridas de laranjas, nos últimos dois anos, oriundas da África do Sul apresentam “resultados conformes” e que “através dos estudos realizados foram detectados múltiplos resíduos de pesticidas”, contudo a autoridade afirma que para a alimentação humana as substâncias estão dentro dos limites de segurança considerados legais. 

No entanto, é importante continuar a investigar e acompanhar o assunto, salienta a entidade e, “caso considere necessário, desenvolverá outras ações com a inclusão de colheitas de amostras de citrinos com origem na África do Sul”.

O eurodeputado Carlos Coelho (PSD) questionou a Comissão Europeia sobre as laranjas comercializadas em Portugal sublinhando que os consumidores devem ter a garantia de que os alimentos que compram na Europa são seguros, cabendo à Comissão e às suas agências executivas e aos Estados-membros esse escrutínio para garantir que todas as importações provenientes de outros países se pautam pelas mesmas normas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)