Rádio Observador

Racismo

Quinas. Campanha da cerveja portuguesa acusada de racismo no Brasil

2.057

A frase "Os portugueses são conquistadores, gostam de deixar marca por onde passam" acompanha o mapa de África na campanha pensada para a África do Sul. Os brasileiros não gostaram.

A frase é uma referência à ocupação portuguesa em África e motivou a acusação de racismo vinda do Brasil: “Os portugueses são conquistadores. Gostam de deixar marca por onde passam.” A campanha publicitária — que não vai ser retirada — inclui ainda um copo de cerveja, visto de cima, em que no meio da espuma se vê o formato do continente africano.

A cerveja portuguesa quer chegar a São Tomé e Príncipe, França e aos Estados Unidos, mas esta campanha era especificamente dirigida à África do Sul. O Brasil ainda não está entre os países-alvo da marca, mas foi daqui que chegaram as maiores reações (para não dizer todas). Somaram-se as críticas e ofensas não só à marca, mas aos portugueses em geral e àquilo que foram os Descobrimentos — quando Portugal tomou, muitas vezes pela força, alguns países, escravizando os seus habitantes.

Vocês não tem nada do que se orgulhar em relação a seu passado colonialista e assassino. Pegou muito, muitíssimo mal essa publicidade”, escreveu a internauta Carolina Borges. “Carolina não entendo este ódio… sou brasileiro e me parece uma tamanha ignorância discutir coisas de um passado distante de uma outra época, te pergunto quem da sua família foi assassinado por Portugueses ? Coisa de quem não tem o que fazer”, respondeu Sandro Garcia, que defendeu a marca em várias respostas aos comentários negativos.

“Você quis dizer invasores?”, perguntou Gabriela Iba.
“Conquistadores não, genocidas mesmo”, respondeu Luiza Monteiro Breves.
“Marca? Marca até hoje na sociedade que foi explorada”, disse Ana Caroline Murrieta.
“A cerveja já vem lavada de sangue ou somente quando chegar ao continente africano?”, escreveu Keks Pucci.
“A gente tenta conviver em paz com os portugueses, mas eles não deixam”, lamentou Camila Anna.

Mas também houve quem defendesse a marca. “Eu amo cerveja e esta em particular. Todos os comentários a respeito da escravidão parecem desproporcionais e cínicos para mim”, escreveu Diogo Flowers. “Parabéns pela ideia. Apenas analfabetos funcionais que não conhecem nem valorizam o próprio passado reclamam de tamanha criatividade”, disse Bruce Wellington.

O anúncio que indignou muitos brasileiros

O impacto que a publicação teve no Facebook e a quantidade de comentários negativos levaram a Quinas a responder via comunicado às redações onde nega qualquer intuito colonialista:

Em momento algum, a Quinas, quem desenvolveu a criatividade e quem a aprovou, quis ofender ou despertar sentimentos como os que temos visto nos comentários que têm sido postadas na página de Facebook da marca. Em momento algum, se quis fazer analogias com o passado histórico ou ligações ao colonialismo. Procurar e forçar essas ligações parece-nos demasiado forçado e comentários como os que temos recebido desproporcionados pelos conteúdos e agressividade dos mesmos.”

Sobre a campanha — que a marca garantiu ao Observador ir manter —, o comunicado referiu que a referência aos “conquistadores” se deve ao facto de ser “uma nova marca que se está a estabelecer no mercado português, e que tem conquistado mercados internacionais, em pontos de venda que procuram a proximidade com os portugueses que são emigrantes e que são tão saudosistas do que é português”. A Quinas disse querer homenagear os portugueses que saíram do país à procura de melhores oportunidade. “‘Conquistadores’ por sermos descontraídos e espontâneos, conquistando corações pela informalidade e alegria.”

A campanha preparada com a Consultório pretendia desvendar “a alma lusa e o seu caráter invulgar” e criar ligações com os consumidores portugueses. “Os portugueses são bons garfos”, “Os portugueses são transparentes” ou “Os portugueses são dançarinos”. “São infinitas as possibilidades a explorar em diferentes histórias, que farão sorrir o português, esteja ele onde estiver e criar uma relação empática com a marca, provocando emoções e associações que estimulam a preferência do consumidor e geram impressões memoráveis de proximidade com o público visado”, explicou a Quinas, que nasceu em julho de 2018, no comunicado em que divulgou a campanha.

A Quinas entrou no mercado da África do Sul, onde vivem 200 mil portugueses e lusodescendentes, no final do mês de janeiro, com 450 postos de venda. Ao Observador a Quinas disse não haver nenhuma reação negativa na África do Sul em relação à campanha. Aliás, nenhuma das restantes campanhas terá tido um impacto destes. “Até agora tem sido bastante positivo, os portugueses identificam-se com a mensagem que temos passado”, disse ao Observador Maria joão Parreira, responsável de marketing da marca.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Racismo

O mérito não tem cor de pele nem etnia

João Pedro Marques
381

Os activistas querem implementar quotas e outros mecanismos compensatórios e precisam desesperadamente de argumentos científicos para justificar esse seu propósito. É gato escondido com rabo de fora.

Europa

Para uma etiologia da “política de identidades”

Guilherme Valente

É a ameaça de uma sociedade comunitarista, fragmentada, tribalizada e regressiva que se configura. Anti-humanista e anti-universalista, contra o melhor do espírito europeu. E contra uma Europa unida.

Racismo

Quotas? Pura campanha política

Teresa Cunha Pinto
135

O verdadeiro racismo reside em aceitar que determinada etnia precisa de medidas especiais para chegar a certos lugares. Se há constrangimentos a este nível não serão as quotas que os vêm diminuir.

Racismo

Liberdade ou violação dos Direitos Humanos?

João André Costa

Distopia é esta vergonha de viver num país e numa língua onde não existe uma palavra para quem tem a pele negra. Preto? É insultuoso. Negro? Negros eram os escravos. Pessoas de cor? É supremacista.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)