Rádio Observador

PSD

Rio apresentou-o e Rangel entrou ao ataque na campanha com desafios a António Costa

478

Presidente do PSD confirmou Rangel como candidato às europeias numa apresentação de cinco minutos. O candidato entrou oficialmente na campanha com violentos ataques ao PS e a António Costa.

Global Imagens

O presidente do PSD, Rui Rio, falou cinco minutos para dizer as cinco razões que o levaram a escolher Paulo Rangel como candidato às eleições europeias, tal como Observador tinha noticiado na terça-feira. Pouco depois, o eurodeputado não perdeu um minuto até começar a atacar o governo de António Costa. Também Pedro Marques — cabeça-de-lista ainda não oficialmente assumido pelo PS — foi acusado de ser um “candidato disfarçado” em “campanha dissimulada” que levanta suspeição de uso de dinheiros públicos para fins eleitorais. Rio e Rangel estiveram alinhados na ambição: as Europeias são para vencer. Mas Rangel acrescentou que as legislativas também (“ao contrário do que muitos imaginam“) e fez um discurso duro para o Governo, com vários desafios diretos a Costa.

O nome de Rangel foi aprovado por unanimidade na Comissão Política Nacional e Rui Rio começou por explicar o porquê da escolha. O eurodeputado, disse o líder, foi escolhido por ter “gosto pelos assuntos europeus”, por ter uma “elevada bagagem cultural, intelectual e profissional”, pela “experiência política”, “pelo conhecimento dos assuntos europeus” e pelo “peso político” que tem em Bruxelas. E rematou que, por tudo isto, Paulo Rangel “não é dispensável deste cargo.”

Rio destacou a experiência em “política nacional e europeia” que Paulo Rangel tem e a seguir o candidato fez um discurso que terá agradado aqueles que querem ver um PSD mais acutilante nos ataques ao governo.

Paulo Rangel começou por acusar o Governo de se escudar com Bruxelas em decisões que toma. O candidato do PSD às próximas europeias diz que “é verdade que não há dinheiro para tudo” e que “há que fazer escolhas”, mas “foi o Governo Costa que fez as suas escolhas.” Do Serviço Nacional de Saúde aos incêndios, Rangel não poupou Costa: “Foi o PS que escolheu não investir no serviço nacional de saúde, não investir na proteção civil e na segurança das pessoas e dos bens; não apostar na mobilidade, nos transportes e nas infraestruturas”.

Este era, aliás, o mote para se dirigir ao alvo seguinte. Rangel não perdeu tempo a atacar aquele que será o seu principal adversário. Desde logo, levantou suspeitas de que Pedro Marques (esperado candidato do PS) anda a anunciar investimentos como ministro para promover a campanha como candidato europeu. E depois de levantar as suas suspeitas, exigiu a António Costa que as venha esclarecer. Para Rangel, “neste momento, subsiste a legítima suspeita de que houve o aproveitamento de um cargo ministerial para engendrar, lançar e promover um candidato”.

O candidato do PSD diz que Pedro Marques “é um candidato disfarçado de ministro” e em “campanha dissimulada” e que, por isso, António Costa “tem que esclarecer, quanto antes, se o Governo está a utilizar recursos públicos e aproveitar um cargo ministerial para promover um candidato“.

A Pedro Marques também imputou o facto de Portugal ter perdido fundos comunitários, denunciando que o Governo falhou “clamorosamente na execução” deste financiamento no momento em que era mais preciso. Paulo Rangel acusou o “ministro do Planeamento” de se contentar e conformar com “uma proposta da Comissão para as próximas perspetivas financeiras em que Portugal perde 7 por cento dos fundos de coesão, enquanto países bem mais ricos aumentam a sua dotação.” E ainda atirou: “Alguém tem de denunciar a passividade, o conformismo, a complacência com que o governo do PS e o seu ministro do planeamento estão a negociar os fundos de 2020-2027″.

Na sequência de ataques ao PS, Paulo Rangel disse que “o PSD é convictamente europeísta”, mas de um “europeísmo que é realista ao contrário do idealismo utópico e demagógico do PS”. O PSD, garante o eurodeputado, “não faz como Costa ou como Centeno, que dizem uma coisa em Lisboa e outra, bem diferente, em Bruxelas”.

Num tom de líder da oposição, Rangel desafiou o primeiro-ministro a dizer se  “é a favor ou contra o exército único europeu” e exorta o Governo a dizer se concorda com a medida que a comissão acaba de propor de que “em três domínios, se transite da regra da unanimidade para a regra da maioria qualificada”. O candidato às europeias tinha mais perguntas a fazer ao primeiro-ministro: “A pergunta que lanço a António Costa é, pois, a que segue: o PSD é contra o fim da unanimidade na política externa; e o Governo do PS? É contra ou favor da unanimidade e do direito de veto de Portugal na política externa europeia?

No fim do discurso, Paulo Rangel confirmou a fasquia de que as Europeias são para ganhar, mas sugeriu que o resultado é para repetir nas Legislativas: “Abrimos aqui caminho a que o PSD seja espaço em que os portugueses se reveem na União Europeia e em Portugal. Essa luta começa hoje e vai ser ganha ao contrário do que muitos imaginam“.

Rui Rio fez um enorme secretismo em torno desta escolha, embora o nome circulasse há meses nos bastidores do partido. E esticou a confirmação oficial até à última. Só às 15h00, três horas antes da conferência de imprensa, é que o gabinete de imprensa do PSD convocou os jornalistas para a sede nacional e mesmo assim não explicou que se tratava da apresentação do candidato. “Rui Rio fará uma declaração à imprensa a propósito das eleições europeias“, podia ler-se.

Paulo Rangel consegue o feito de ser escolhido para liderar a lista ao Parlamento Europeu por três líderes diferentes: depois de ter sido o candidato de Manuela Ferreira Leite, em 2009, voltou a ser a escolha de Pedro Passos Coelho em 2014, e é também a escolha de Rui Rio para a corrida de 2019.

A antiga ministra Maria da Graça Carvalho, a vice-presidente do PSD Isabel Meirelles, o presidente dos Autarcas Sociais Democratas, Álvaro Amaro — apontados nos últimos meses como possibilidades para integrar a lista — assistiram à conferência de imprensa de apresentação de Paulo Rangel. O facto de estarem na assistência não tem especial significado, uma vez que ambas são membros da CPN — que tinha acabado de reunir. O mesmo fizeram outros membros deste órgão, como o vice-presidente Salvador Malheiro, o líder parlamentar Fernando Negrão, o deputado Bruno Coimbra, ou a líder da JSD, Margarida Balseiro Lopes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Política Económica

“A embriaguez da vitória…”

Jorge Silveira Botelho

Se continuarmos embriagados com a política social de “panem et circenses”, na próxima crise vamos acabar por ficar sem passes, sem transportes e sem dinheiro para saúde, para justiça e para educação.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)