Eleições Europeias

Rui Rio já fez o convite. Os pormenores estão acertados. Paulo Rangel é o candidato do PSD às Europeias

316

O eurodeputado Paulo Rangel vai ser pela terceira vez consecutiva o cabeça-de-lista do PSD às Europeias. Candidato é apresentado na quinta-feira depois de Rio levar nome à Comissão Política Nacional.

Paulo Rangel é vice-presidente do PPE, família europeia do PSD

TIAGO PETINGA/LUSA

Está confirmado: não há duas sem três. Depois de muita especulação em torno do nome que Rio escolheria para encabeçar a candidatura do PSD, o eurodeputado Paulo Rangel vai mesmo ser pela terceira vez consecutiva o cabeça-de-lista do partido às eleições Europeias. E consegue o feito de ser o escolhido por três líderes diferentes: depois de ter sido o candidato de Manuela Ferreira Leite, em 2009, voltou a ser a escolha de Pedro Passos Coelho em 2014, e é também a escolha de Rui Rio para a corrida de 2019. O presidente do PSD já falou com o eurodeputado, os pormenores estão acertados e Rio vai levar o nome de Paulo Rangel à Comissão Política Nacional do PSD da próxima quinta-feira, 7 de fevereiro.

Para já, Rui Rio vai apresentar apenas o cabeça-de-lista, sendo os restantes elementos conhecidos só nos dias seguintes. Certo na lista em lugar elegível já estará também o eurodeputado e líder da distrital de Braga, José Manuel Fernandes. Nos bastidores do partido há listas e lugares que circulam desde o verão, com nomes como Isabel Meirelles ou Álvaro Amaro. Mas o único nome, para já, garantido é mesmo o de Paulo Rangel. Isto porque o presidente do PSD pode voltar a jogar o efeito-surpresa e anunciar nomes de que ninguém está à espera, como fez no caso da Comissão Política Nacional, por exemplo, onde surpreendeu (e foi criticado por isso), com a escolha de Elina Fraga.

Rangel venceu as eleições na primeira vez que concorreu a Bruxelas, em 2009, dando a Sócrates uma derrota que Ferreira Leite não conseguiu depois aproveitar. Em 2014, a liderar a coligação Aliança Portugal com o CDS (ao lado de Nuno Melo, que agora é seu adversário — tal como em 2009) ficou em segundo lugar. Ainda assim, o PS bateu a Aliança Portugal por apenas 3,75% dos votos, o que foi o princípio do fim de António José Seguro à frente do PS. A derrota de Rangel teve sabor a vitória e encheu um balão de oxigénio do PSD de Passos Coelho que viu a troika sair do país durante a campanha dessas eleições Europeias.

O processo de escolha do nome para as próximas Europeias foi gerido com grande discrição pelo presidente do PSD. Rio quis controlar o timing da revelação da personalidade escolhida e só formalizou o convite a Paulo Rangel poucos dias antes da revelação. Até lá e desde o verão passado, houve vários nomes a circular pelos bastidores como potenciais cabeças de lista, mas Rio acabou por manter o mesmo candidato, que hoje é também vice-presidente do PPE, a família europeia do PSD. Ainda no final do ano passado, durante o Congresso do Partido Popular Europeu, que decorreu em Helsínquia, o Observador questionava Rangel sobre essa matéria e a resposta foi quase sempre a mesma: “Não falo. Não falo. Não falo”. Rangel justificava a não resposta com um  “voto de silêncio sobre o processo eleitoral das Europeias”.  Pressionado sobre se se excluía de uma candidatura, a resposta era igualmente vaga: “Não digo que sim, nem que não, nem mais ou menos, nem se estou ou se deixo de estar. Nem excluo, nem me incluo“. Agora, o mistério está esclarecido.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: pbenevides@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)