Ambiente

O diesel vai aumentar até igualar gasolina. Mas…

193

O diesel é há muito favorecido face à gasolina, pagando menos impostos, o que explica o preço inferior na bomba. Mas isso tem vindo a mudar e promete aproximar-se cada vez mais da gasolina.

A estratégia seguida pela maioria dos governos europeus foi, desde 1970, incentivar o uso de motores a gasóleo nos veículos ligeiros, tanto de passageiros como comerciais. Não só são mais eficientes, como o seu consumo é mais reduzido. Mas esta aposta nos motores diesel trazia consigo outra vantagem, devidamente apadrinhada pelos construtores europeus, e que consistia em colocar dificuldades à importação de veículos a gasolina. Isto segundo Alain Mathuren, o porta-voz da Fuels Europa, que representa os interesses das refinarias europeias.

Mas a situação inverteu-se em 2015, no rescaldo do Dieselgate, que levou a União Europeia a decidir “limpar” o ambiente do excesso de emissões das motorizações que queimam gasóleo. Curiosamente (ou melhor, lamentavelmente), fê-lo quando foram introduzidas melhorias no tratamento de gases de escape destas motorizações – com a adopção dos conversores selectivos SCR, com injecção de AdBlue, que reduzem 90% dos óxidos de azoto (NOx) –, que tornaram os motores diesel tão poluentes quanto os gasolina, tendo ainda a vantagem de emitir menos dióxido de carbono (CO2) por consumirem menos. E se o CO2 não é um poluente, a sua presença em excesso na atmosfera contribui para o aquecimento global e alterações climáticas.

De acordo com o analista de temas energéticos da Wood Mackenzie, Mark Williams, a União Europeia tem vindo a aumentar gradualmente os impostos sobre o gasóleo, aproximando-o da taxa a que está submetida a gasolina. O resultado, que se pode consultar na tabela que publicamos acima, revela que se em 2015 o diferencial de impostos entre um combustível e outro era de 17 cêntimos, em favor do diesel, a vantagem diminuiu para 14 cêntimos em 2017 e para cerca de 12 cêntimos no início de 2019. Williams prevê que “os impostos sobre o diesel continuem a aumentar a um ritmo superior aos que incidem sobre a gasolina”, o que não quer dizer que até estes não sejam incrementados, visando tornar os combustíveis fósseis menos interessantes financeiramente.

Subir o preço do gasóleo, e dos combustíveis derivados do petróleo em geral, traz consigo algumas dificuldades, como aliás o Presidente francês, Emmanuel Macron, descobriu recentemente, com a ajuda dos coletes amarelos. Não só os condutores com automóveis diesel não ficam agradados, como as empresas de transportes rodoviários desesperam – eles e os clientes que adquirem os produtos que deslocam, pois o aumento no preço do combustível está condenado a fazer-se sentir no preço final dos produtos.

Refinação: o crude é aquecido e sobe por uma coluna de fraccionamento, que separa os os diversos tipos de hidrocarbonetos consoante o seu peso, volatilidade e temperaturas de ebulição

Como se isto não bastasse, há ainda a questão logística. Quando se procede à refinação do crude, não há forma de evitar a produção de uma série de produtos, que vão da gasolina e do gasóleo, que bem conhecemos, até ao óleo utilizado nos lubrificantes e na produção de asfalto, passando pelo combustível de avião. Contudo, produzir gasóleo é mais barato do que gasolina, sendo mesmo complicado refinar crude e não extrair gasóleo, o que levaria a um desequilíbrio entre a produção e o consumo, caso o número de veículos com motores diesel fosse anulado ou consideravelmente reduzido.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)