Hungria

Primeiro-ministro da Hungria diz que a União Europeia quer “acabar com as nações” tal como o comunismo

1.059

Viktor Orbán, primeiro-ministro da Hungria, acusou a União Europeia de querer acabar com as nações, tal como o regime comunista que governou o país: "Querem outra vez um mundo sem nações".

Viktor Orban é primeiro-ministro da Hungria desde 2010

SZILARD KOSZTICSAK/EPA

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, acusou este domingo a União Europeia (UE) de querer acabar com as nações, tal como o regime comunista que governou o país até há 30 anos.

Há 30 anos pensámos que tínhamos deitado para o lixo o pensamento comunista, que defende o fim das nações. Parece que nos enganámos […] Querem outra vez um mundo sem nações”, disse o dirigente nacionalista perante centenas de apoiantes.

“A cúpula do internacionalismo hoje é Bruxelas e o seu instrumento é a imigração”, acrescentou Orbán num discurso em Budapeste.

“Bruxelas tem um plano de sete pontos para transformar a Europa num continente de imigração”, alegou, precisando que esse plano inclui um novo sistema de repartição de migrantes, o enfraquecimento da defesa das fronteiras nacionais e a introdução de vistos de imigração.

Viktor Orbán, que apresentava os temas da campanha para as eleições para o Parlamento Europeu de maio próximo, disse-se certo de que os “eleitores darão a sua opinião” sobre estes temas.

O primeiro-ministro húngaro acusou repetidamente a UE de encorajar a imigração e criticou repetidamente o milionário e filantropo norte-americano de origem húngara George Soros, alvo frequente dos seus ataques.

Enquanto Orbán discursava centenas de pessoas protestaram junto da sede de governo contra as políticas nacionalistas do primeiro-ministro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Bloco de Esquerda

Les uns et les autres

Pedro Barros Ferreira

Os partidos da direita democrática devem ater-se no que importa e não em discursos patetas que levam ao afastamento das mulheres que tenham um pingo de inteligência, ou dos ateus, ou dos homossexuais.

Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)