Futebol

Ainda há quatro mistérios por resolver no caso Emiliano Sala

290

O corpo do jogador foi encontrado, mas o do piloto Ibbotson continua desaparecido e ainda há muitas questões por resolver. Porque é que a busca pelos destroços parou? E porque é que Sala viajou?

EDDY LEMAISTRE/EPA

O corpo do futebolista Emiliano Sala foi recuperado dos escombros do avião que despenhou no Canal da Mancha, no entanto, o corpo do piloto do avião, David Ibbotson, ainda está por encontrar. As dúvidas sobre o que realmente aconteceu no acidente de 20 de janeiro ainda são muitas, de acordo com o jornal El Español.

A 20 de janeiro, o jogador Emiliano viajou no avião Piper PA-46-310P Malibu, que foi construído em 1984, com apenas um motor. O piloto Ibbotson foi chamado para pilotar à última hora, porque o colega David Henderson não estava disponível. Contudo, apesar de saber pilotar este modelo de aviões, Ibbotson não tinha a licença necessária para pilotar aeronaves com passageiros pagantes. O avião onde os dois viajam desapareceu dos radares a 21 de janeiro. Há ainda quatro perguntas sem resposta.

Porque é que o piloto sem licença conduzia o avião?

O corpo do piloto Dave Ibbotson continua desaparecido e esse enigma dificulta as investigações. A esposa do piloto afirmou que prefere que o corpo do marido permaneça debaixo de água, mas encontrá-lo é fundamental para responder a algumas questões.

Para Ibbotson, a aviação era um hobby e por esse motivo não tinha licença comercial, explica o jornal The Sun, que acrescenta que Dave já tinha sofrido um acidente de pilotagem em 1995.

Porque é que a busca pelos destroços parou?

Os investigadores encontraram o avião Piper PA-46 Malibu dividido ao meio, a 63 metros de profundidade. Durante o resgate, Dave Mearns, responsável pelas buscas, foi obrigado a tomar uma decisão difícil devido ao mau tempo que se fez sentir durante a operação: resgatar o corpo que estava entre os destroços e deixar para trás a fuselagem do avião. Conseguiram obter alguns destroços da aeronave, contudo, é necessário proceder à análise de outras peças importantes, que vão ajudar a concluir a investigação. As autoridades afirmam que não vão procurar a parte em falta, diminuindo assim as possibilidades de obter novas pistas.

Depois de a polícia britânica ter terminado a investigação, a família e amigos de Emiliano Sala amealharam 360.000 euros e iniciaram uma investigação privada para encontrar o corpo do jogador e a parte da aeronave.

Porque é que afinal Emiliano Sala viajou?

Mais um pormenor da história que o jornal El Español questiona. A publicação explica que um dos amigos do jogador, Maxi Duarte, afirmou que Emiliano foi “forçado” a viajar.

Duarte revelou: “Há apenas uma grande verdade por detrás disso, o responsável é o representante, mas vamos esperar um pouco. Emiliano nunca decidiu entrar no avião, era algo a que estava obrigado enquanto jogador”, acrescentando que Emiliano deveria ter viajado durante o dia e não de noite.

Foram também descobertas as mensagens que Emiliano trocou com Willie McKay, o responsável do Cardiff City que organizou o voo. Numa das mensagens, Willie escreveu: “Não há sentimentos, estamos apenas a fazer negócios”. Depois da notícia do acidente, a equipa britânica parou os três pagamentos ao clube de Nantes.

Será que Cardiff City irá pagar pelo jogador?

Por fim, falta perceber se a equipa britânica vai realmente realizar o pagamento do contrato de Emiliano Sala. O Cardiff City cumpriu com todas as formalidades para incorporar o jogador argentino na equipa por 17 milhões de euros, a transferência mais cara na história do clube galês. No entanto, depois da notícia do acidente, a equipa não transferiu os três últimos pagamentos.

O Nantes afirmou que não está disposto a perder o dinheiro da venda do argentino e denunciou a falta de pagamento do Cardiff. Segundo a BBC, os executivos do clube farão o pagamento “quando tudo estiver claro”, algo que, de Nantes, consideram uma técnica “hipócrita” para “ganhar tempo”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)