Milhares de jovens, no Reino Unido, faltaram as aulas esta sexta-feira, em protesto para aumentar a consciencialização sobre as alterações climáticas, segundo Sky News.

A manifestação ocorreu em diversas cidades do Reino Unido, como Edimburgo, Cardiff, Belfast, Cambridge e Brighton, segundo os organizadores Youth Strike 4 Climate. A organização Youth Strike 4 Climate foi criada no Reino Unido por  adolescentes que alertam a falta de ação por parte do governo na prevenção das alterações climáticas, no entanto, a verdadeira criadora por trás desta iniciativa é uma adolescente sueca, de 16 anos, Greta Thunberg.

Em Portugal, a Greve Estudantil Ambiental está prevista para o dia 15 de março, por enquanto, as manifestações estão marcadas para Lisboa, Porto e Coimbra. O movimento estudantil internacional #SchoolStrike4Climate e #FridaysForFuture convocaram uma greve internacional pelo clima para dia 15 de março, e Portugal não é exceção.

Quem é Greta Thunberg?

A ativista sueca começou por protestar sozinha, faltou a escola na Suécia em agosto do ano passado. O lema de Greta é “Never too small to make a difference” (Nunca se é demasiado pequeno para fazer a diferença). Com ajuda das redes sociais, a mensagem da viajou pelas terras europeias e até atravessou o oceano. Seguindo o exemplo da adolescente sueca, dezenas de milhares de jovens na Bélgica, Alemanha, Reino Unido, Japão, Austrália, Estados Unidos e muitos outros países juntaram-se ao apelo da ativista sueca e fizeram greve às aulas para exigir medidas para travar o aquecimento global.

Greta é séria em relação ao seu lema e já levou a mensagem para outro nível. Falou na Conferência do TEDxStockholm, e na Cimeira do Clima das Nações Unidas, em dezembro de 2018, e em janeiro deste ano, a adolescente abordou a Global Business Elite em Davos, Suíça:

Algumas pessoas, algumas empresas, os que decidem em particular, sabem exatamente o que estão a sacrificar para continuar a ganhar quantias inimagináveis de dinheiro. E eu penso que muitos de vocês, aqui presentes, pertencem a esse grupo de pessoas”.

Reação dos políticos

A manifestação no Reino Unido foi criticada por alguns políticos e aplaudida por outros. A primeira-ministra britânica Theresa May foi crítica do protesto por implicar faltar às aulas. Já o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, apoio o movimento dos jovens e partilhou a sua mensagem na rede social Twitter: “A alteração climática é a maior ameaça que todos enfrentamos, mas o futuro está mais em jogo destas crianças. Eles estão certos em sentir-se dececionados pela geração anterior e é inspirador vê-los a fazer com que a sua voz seja ouvida”.

Caroline Lucas, líder do Partido Verde, esteve presente na manifestação em Brighton e, também, deixou a mensagem no Twitter: “Sinto-me bastante emocionada. É o acontecimento mais esperançoso que aconteceu em anos. (…) Podemos vencer essa luta por um futuro mais seguro e mais justo!”.

Segundo The Guardian, o primeiro-ministro australiano Scott Morisson foi questionado sobre os estudantes que participaram no protesto na Austrália, em novembro do ano passado, ao qual Morrison respondeu “O que queremos é mais aprendizagem e menos ativismo nas escolas”. Logo a seguir, Adam Bandt, deputado do Partido Verde perguntou se o primeiro-ministro iria “ouvir as crianças, que estão a exigir que o seu governo mantenha carvão no solo”. Sem hesitar, Morrison afirmou que os jovens deveriam permanecer na escola e deixar a política para os que estão “fora da escola”.

Veja a nossa fotogaleria da manifestação que tem acontecido em vários países e foi inspirada pela mensagem de Greta Thunberg, uma adolescente que todas as sextas-feiras falta às aulas para exigir aos governantes medidas urgentes para combater as alterações climáticas.