Presidente da República

Marcelo para a bastonária dos enfermeiros: “Como é que resiste tanto tempo?”

O Presidente perguntou a Ana Rita Cavaco como resiste, disse que a vê a toda a hora, mas no discurso enviou-lhe um recado dizendo que as pessoas são mais importantes que o "ego" de cada um.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, cumprimenta bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Marcelo Rebelo de Sousa diz que não fala sobre a greve dos enfermeiros até sair a decisão do Supremo Tribunal Administrativo, mas não resistiu a enviar indiretas, nem a fazer apartes sobre a situação. O Presidente da República cruzou-se com a bastonária da Ordem dos Enfermeiros e, a meio de uma troca de abraços e beijos, fez-lhe uma pergunta quase ao ouvido que as câmaras da SIC captaram: “Como é que resiste tanto tempo?“. Antes da pergunta, Marcelo já tinha feito outra alusão à atenção mediática que é dada a Ana Rita Cavaco durante este braço-de-ferro: “Eu vejo esta senhora todos os dias, de manhã, à tarde, à noite, até no estrangeiro.”

O encontro ocorreu esta quinta-feira durante uma homenagem à farmacêutica Odette Ferreira, perante representantes de várias da áreas da saúde, a que se procure chegar a convergências ultrapassando posições que parecem estanques. Quando discursou, no Museu da Farmácia, em Lisboa, o chefe de Estado pareceu enviar um recado a Ana Rita Cavaco, pedindo convergências para além do ego de cada um:

Vamos procurar as convergências para além daquilo que parecem ser as posições estanques, que são cruciais num determinado momento, e depois se chega à conclusão de que não têm importância nenhuma no fluir da história – nenhuma, rigorosamente nenhuma, a não ser momentaneamente o prazer do ego de um ou outro protagonista”.

Marcelo pediu para fazerem “esse esforço, todos, um bocadinho” e acrescentou: “Vamos pensar sempre nas pessoas.” Já Ana Rita Cavaco disse que o recado de Marcelo sobre a “sensibilidade social” só pode ter como destinatário o Governo porque “sensibilidade social é também sensibilidade com os enfermeiros e o que passam no Serviço Nacional de Saúde”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
364

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Política

Podemos falar de coisas sérias?

Salvador Furtado

Outubro já não está assim tão distante, e o governo sabe isso. Mas o assunto da maior carga fiscal de sempre? E o da corrupção? E o de sermos um dos países com um dos piores crescimentos da zona euro?

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)