Rádio Observador

Vaticano

Vaticano: tumba pode ter a resposta para um homicídio com 35 anos

Uma tumba no Vaticano pode ter a resposta para um homicídio que ocorreu há 35 anos quando a filha de um funcionário desapareceu misteriosamente.

Emanuela Orlandi desapareceu sem deixar rasto em 1983

AFP/Getty Images

22 de junho de 1983. Emanuela Orlandi, filha de um funcionário do Vaticano, estava a sair de uma aula de música na Piazza Navona, em Roma, quando foi vista pela última vez, sem que, até aos dias de hoje, sejam conhecidas as causas do desaparecimento. Agora, o Vaticano pode estar disposto a abrir uma tumba que pode dar resposta ao caso, depois de uma carta anónima enviada à família ter apontado para um local onde Orlandi terá sido secretamente enterrada. “Olhe para onde o anjo está a apontar”, diz a carta com a suposta resolução do mistério.

O caso que gerou várias teorias da conspiração – desde casos de corrupção e fraude financeira mo Vaticano, a envolvimento da máfia e abusos sexuais -, pode agora ter reposta na sequência desta carta anónima enviada à família, segundo avança o Corriere della Sera. A indicação é a de que o corpo de Emanuela Orlandi estará enterrado num cemitério germânico – destinado a cadáveres da Áustria, da Alemanha e da Holanda.

“Olhe para onde o anjo está a apontar”, será a frase-chave. Em cima da tumba descrita está a estátua de um anjo de mármore cuja mão aponta para o chão. A família de Emanuela Orlandi já pediu ao Vaticano para examinar os registos relacionados com o local e para abrir a campa, para confirmar se os restos mortais de Emanuela foram lá enterrados.

A tumba em causa tem também uma inscrição dedicada a um príncipe alemão Gustavo von Hohenlohe, que foi feito arcebispo pelo Papa Pio IX, em 1857. Segundo o jornal italiano Corriere della Sera, a campa terá sido já aberta no passado e o porta-voz do Vaticano já disse à família que está a estudar o pedido. 

Emanuela Orlandi desapareceu com 15 anos e era filha de um funcionário do Vaticano, sendo cidadã daquela cidade-estado que é a capital da Igreja Católica. O desaparecimento, nunca esclarecido, gerou várias teorias da conspiração.

Uma das primeiras diz que Orlandi foi sequestrada pela máfia para forçar a libertação do turco Mehmet Ali Agca, que tentou assassinar o Papa João Paulo II em 1981. Outra das teorias dá conta de que terá sido também sequestrada, mas como moeda de troca para recuperar um empréstimo feito ao Vaticano. Por fim, existe ainda uma terceira via que defende que Emanuela Orlandi terá sido raptada para integrar uma rede de abusos sexuais no Vaticano.

Em novembro do ano passado o caso voltou a reavivar-se quando foram descobertas ossadas junto à Embaixada do Vaticano em Roma. No entanto, depois de realizados os testes que deram negativo, o caso continua por resolver.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)