Rádio Observador

Sondagens

Sondagem: PS à frente mas sem maioria absoluta nas legislativas. PSD com 25%, CDS empatado com BE e CDU e PAN à frente do Aliança

1.562

Uma sondagem SIC/Expresso com ISC/ISCTE coloca o PS como o partido mais votado, com 37%, mas sem maioria absoluta. PSD fica com apenas 25%, BE cai e Aliança surge com 2% atrás do PAN.

ESTELA SILVA/LUSA

Uma sondagem Expresso/SIC relativa às intenções de voto dos portugueses nas próximas eleições legislativas, feita entre 9 e 21 de fevereiro em colaboração com o ISC/ISCTE, projeta o PS como o partido mais votado nas eleições de 6 de outubro. O partido de António Costa, que é atualmente Governo, soma 37% das intenções de voto dos portugueses, um valor insuficiente para obter maioria absoluta. Em segundo lugar surge o PSD, com 25% dos votos.

Seguem-se CDS, CDU e Bloco de Esquerda, todos eles com 8%. Com 3%, o PAN é o partido que mais cresce proporcionalmente em relação às últimas eleições legislativas de 2015. À época, obteve 1,39% dos votos e elegeu pela primeira vez um deputado, André Silva. O Aliança de Pedro Santana Lopes surge com 2% das intenções de voto nesta sondagem e os restantes partidos juntos somam 3% das preferências.

  1. PS 37%
  2. PSD 25%
  3. CDS 8%
  4. CDU 8%
  5. BE 8%
  6. PAN 3%
  7. Aliança 2%
  8. Outros partidos 3% 

Face às eleições de 2015, o Partido Socialista sobe perto de 5% nesta sondagem da SIC/Expresso. Tornar-se-ia o partido mais votado, porém continuaria a necessitar de apoio parlamentar para aprovar Orçamentos do Estado e governar. PSD e CDS, que em 2015 concorreram coligados e obtiveram 38,5% dos votos, somariam agora 33% juntos.

O Bloco de Esquerda, que em 2015 teve 10,19% dos votos, cai nas intenções de votos dos portugueses para as legislativas, de acordo com esta sondagem: soma agora 8% de intenções de voto. O PAN — Pessoas-Animais-Natureza mais do que duplicaria os votos obtidos em 2015, caso a sondagem se confirmasse. Já o Aliança de Pedro Santana Lopes entraria no parlamento com 2%. Os valores acima apresentados foram calculados excluindo a abstenção e distribuindo proporcionalmente os votos dos indecisos.

O mais popular é Marcelo, a menos popular é Cristas

A sondagem SIC/Expresso calcula ainda o índice de popularidade dos líderes partidários e políticos do país. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa é o político mais popular: tem um índice de popularidade de 8.1, numa tabela de zero a dez. Seguem-se António Costa com 5,8, Catarina Martins com 4,9, Jerónimo de Sousa e Rui Rio com 4,7 cada um, André Silva com 4,3 e Assunção Cristas com 4,0.

Para esta sondagem, foram “contactados 2541 lares elegíveis”, tendo sido realizadas “801 entrevistas válidas”. A taxa de resposta foi de 32% e a “margem de erros máxima associada a uma amostra aleatória simples de 801 inquiridos é de mais ou menos 3,5, com um nível de confiança de 95%”. O número de indecisos, contudo, continua alto: 17% dos inquiridos “não sabe” em quem votaria, caso as eleições legislativas fossem agora. Há ainda 9% de pessoas que afirmaram não tencionar votar nas próximas legislativas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Jesus Cristo

Santos da casa também fazem milagres! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
152

Todas as casas reais peninsulares descendem do profeta Maomé. Há uns séculos, este parentesco era muito indesejável mas ainda poderá ser de grande utilidade, se a Europa for ocupada pelo Islão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)