Sondagens

Sondagem: PS à frente mas sem maioria absoluta nas legislativas. PSD com 25%, CDS empatado com BE e CDU e PAN à frente do Aliança

1.562

Uma sondagem SIC/Expresso com ISC/ISCTE coloca o PS como o partido mais votado, com 37%, mas sem maioria absoluta. PSD fica com apenas 25%, BE cai e Aliança surge com 2% atrás do PAN.

ESTELA SILVA/LUSA

Uma sondagem Expresso/SIC relativa às intenções de voto dos portugueses nas próximas eleições legislativas, feita entre 9 e 21 de fevereiro em colaboração com o ISC/ISCTE, projeta o PS como o partido mais votado nas eleições de 6 de outubro. O partido de António Costa, que é atualmente Governo, soma 37% das intenções de voto dos portugueses, um valor insuficiente para obter maioria absoluta. Em segundo lugar surge o PSD, com 25% dos votos.

Seguem-se CDS, CDU e Bloco de Esquerda, todos eles com 8%. Com 3%, o PAN é o partido que mais cresce proporcionalmente em relação às últimas eleições legislativas de 2015. À época, obteve 1,39% dos votos e elegeu pela primeira vez um deputado, André Silva. O Aliança de Pedro Santana Lopes surge com 2% das intenções de voto nesta sondagem e os restantes partidos juntos somam 3% das preferências.

  1. PS 37%
  2. PSD 25%
  3. CDS 8%
  4. CDU 8%
  5. BE 8%
  6. PAN 3%
  7. Aliança 2%
  8. Outros partidos 3% 

Face às eleições de 2015, o Partido Socialista sobe perto de 5% nesta sondagem da SIC/Expresso. Tornar-se-ia o partido mais votado, porém continuaria a necessitar de apoio parlamentar para aprovar Orçamentos do Estado e governar. PSD e CDS, que em 2015 concorreram coligados e obtiveram 38,5% dos votos, somariam agora 33% juntos.

O Bloco de Esquerda, que em 2015 teve 10,19% dos votos, cai nas intenções de votos dos portugueses para as legislativas, de acordo com esta sondagem: soma agora 8% de intenções de voto. O PAN — Pessoas-Animais-Natureza mais do que duplicaria os votos obtidos em 2015, caso a sondagem se confirmasse. Já o Aliança de Pedro Santana Lopes entraria no parlamento com 2%. Os valores acima apresentados foram calculados excluindo a abstenção e distribuindo proporcionalmente os votos dos indecisos.

O mais popular é Marcelo, a menos popular é Cristas

A sondagem SIC/Expresso calcula ainda o índice de popularidade dos líderes partidários e políticos do país. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa é o político mais popular: tem um índice de popularidade de 8.1, numa tabela de zero a dez. Seguem-se António Costa com 5,8, Catarina Martins com 4,9, Jerónimo de Sousa e Rui Rio com 4,7 cada um, André Silva com 4,3 e Assunção Cristas com 4,0.

Para esta sondagem, foram “contactados 2541 lares elegíveis”, tendo sido realizadas “801 entrevistas válidas”. A taxa de resposta foi de 32% e a “margem de erros máxima associada a uma amostra aleatória simples de 801 inquiridos é de mais ou menos 3,5, com um nível de confiança de 95%”. O número de indecisos, contudo, continua alto: 17% dos inquiridos “não sabe” em quem votaria, caso as eleições legislativas fossem agora. Há ainda 9% de pessoas que afirmaram não tencionar votar nas próximas legislativas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)