Rádio Observador

Ministério das Finanças

Centeno atira-se ao CDS e acusa o partido de “aproveitamento político”

260

Através de uma carta enviada ao Parlamento, o Ministro das Finanças respondeu ao pedido de audição do CDS a propósito dos impostos europeus. Centeno aproveitou oportunidade para atacar os centristas.

Mário Centeno considerou "intolerável e inaceitável" acusação de desrespeito do CDS-PP

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

A resposta não foi imediata, mas chegou com estrondo. O Ministro das Finanças enviou uma carta ao Parlamento, em concreto à Secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares, para responder ao pedido de audição do CDS, que chamou Mário Centeno à Assembleia da República para ser questionado sobre a criação de impostos europeus no início de fevereiro. Os centristas nunca obtiveram uma resposta por parte do governante e no dia 27 do mesmo mês pediram a intervenção direta de Ferro Rodrigues através de uma carta assinada pelo líder parlamentar do partido, que o Observador divulgou em primeira mão. Nuno Magalhães considerava então “lamentável” que a audição ainda não tivesse sido agendada quase um mês depois de ter sido requerida. “Um desrespeito pela Assembleia da República“, lia-se.

A resposta do Ministério das Finanças chegou na segunda-feira a São Bento e as palavras do presidente do também Eurogrupo para o partido de Assunção Cristas não foram mais simpáticas. Na carta enviada pelo gabinete de Centeno, a que o Observador teve acesso, o ministro considera que “é inaceitável o aproveitamento político por parte do grupo parlamentar do CDS-PP relativamente a um membro do Governo que na presente legislatura participou em mais de 55 audições”.

Na missiva recorda-se que Mário Centeno foi ouvido na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA) durante o mês de fevereiro, uma das quais no dia 6 de fevereiro, onde os deputados do CDS-PP puderam colocar as questões que entenderam. Aliás, “é precisamente essa faculdade que a abrangência das audições regimentais permite”, argumenta o Ministério das Finanças. “Os deputados [do CDS] tiveram já oportunidade de questionar o primeiro-ministro e o Ministro das Finanças”, tanto em quinzenais como em comissões. Isto “sem prejuízo da audição do Senhor Ministro das Finanças, que já está agendada“.

Ou seja, Centeno acusa o CDS de não ter aproveitado as oportunidades que teve para questionar o governante no Parlamento para mais tarde protagonizar “um mero episódio mediático“.

Além disso, sublinha-se ainda o facto de o Ministro das Finanças ter sempre acedido a pedidos semelhantes, incluindo no próprio dia 27 de fevereiro, quando compareceu na “Comissão de Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, precisamente a requerimento do mesmo grupo parlamentar”.

No fim, novas críticas ao CDS-PP. “Incompreensível e intolerável“, reforça-se na carta. Este número “não pode valer para atentar contra a probidade de um membro do Governo na sua relação com o Parlamento”, resume o gabinete do ministro.

Mário Centeno irá estar esta quarta-feira no Parlamento para uma audição na COFMA.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)