Ministério das Finanças

Centeno atira-se ao CDS e acusa o partido de “aproveitamento político”

260

Através de uma carta enviada ao Parlamento, o Ministro das Finanças respondeu ao pedido de audição do CDS a propósito dos impostos europeus. Centeno aproveitou oportunidade para atacar os centristas.

Mário Centeno considerou "intolerável e inaceitável" acusação de desrespeito do CDS-PP

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

A resposta não foi imediata, mas chegou com estrondo. O Ministro das Finanças enviou uma carta ao Parlamento, em concreto à Secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares, para responder ao pedido de audição do CDS, que chamou Mário Centeno à Assembleia da República para ser questionado sobre a criação de impostos europeus no início de fevereiro. Os centristas nunca obtiveram uma resposta por parte do governante e no dia 27 do mesmo mês pediram a intervenção direta de Ferro Rodrigues através de uma carta assinada pelo líder parlamentar do partido, que o Observador divulgou em primeira mão. Nuno Magalhães considerava então “lamentável” que a audição ainda não tivesse sido agendada quase um mês depois de ter sido requerida. “Um desrespeito pela Assembleia da República“, lia-se.

A resposta do Ministério das Finanças chegou na segunda-feira a São Bento e as palavras do presidente do também Eurogrupo para o partido de Assunção Cristas não foram mais simpáticas. Na carta enviada pelo gabinete de Centeno, a que o Observador teve acesso, o ministro considera que “é inaceitável o aproveitamento político por parte do grupo parlamentar do CDS-PP relativamente a um membro do Governo que na presente legislatura participou em mais de 55 audições”.

Na missiva recorda-se que Mário Centeno foi ouvido na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA) durante o mês de fevereiro, uma das quais no dia 6 de fevereiro, onde os deputados do CDS-PP puderam colocar as questões que entenderam. Aliás, “é precisamente essa faculdade que a abrangência das audições regimentais permite”, argumenta o Ministério das Finanças. “Os deputados [do CDS] tiveram já oportunidade de questionar o primeiro-ministro e o Ministro das Finanças”, tanto em quinzenais como em comissões. Isto “sem prejuízo da audição do Senhor Ministro das Finanças, que já está agendada“.

Ou seja, Centeno acusa o CDS de não ter aproveitado as oportunidades que teve para questionar o governante no Parlamento para mais tarde protagonizar “um mero episódio mediático“.

Além disso, sublinha-se ainda o facto de o Ministro das Finanças ter sempre acedido a pedidos semelhantes, incluindo no próprio dia 27 de fevereiro, quando compareceu na “Comissão de Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, precisamente a requerimento do mesmo grupo parlamentar”.

No fim, novas críticas ao CDS-PP. “Incompreensível e intolerável“, reforça-se na carta. Este número “não pode valer para atentar contra a probidade de um membro do Governo na sua relação com o Parlamento”, resume o gabinete do ministro.

Mário Centeno irá estar esta quarta-feira no Parlamento para uma audição na COFMA.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)