Rádio Observador

Moçambique

Bombeiros e GNR desmobilizados em Moçambique, prioridade é Saúde, diz secretário de Estado

150

Secretário de Estado da Proteção Civil explicou que vão ser desmobilizados bombeiros e alguns elementos da GNR e que a partir de agora a vertente de ajuda mais premente tem a ver com a saúde

José Sena Goulão/LUSA

O apoio que o Governo de Portugal tem estado a dar a Moçambique, na sequência do ciclone Idai, vai a partir de agora centrar-se mais na área da Saúde, disse hoje o secretário de Estado da Proteção Civil.

José Artur Neves fez à Agência Lusa um balanço de uma visita de uma semana à Beira, no dia em que regressa a Portugal e depois de ter oficialmente oferecido ao Estado moçambicano, em nome do Governo português, um equipamento de purificação de água para a vila de Buzi.

O responsável explicou que vão ser desmobilizados vários dos operacionais portugueses que estão em Moçambique, como bombeiros e alguns elementos da GNR.

A maior parte da força portuguesa na Beira estava a apoiar a população isolada de Buzi, uma vila do centro de Moçambique cuja ligação por terra esteve cortada devido às cheias provocadas pelo ciclone Idai de dia 14 e que este fim de semana volta a ter ligação por estrada.

“Essa zona de Buzi vai ter ligação terrestre” e o trabalho dos portugueses em transportar alimentos e medicamentos por barco deixa de ser necessário e esses operacionais “podem ser desmobilizados”, disse o secretário de Estado.

José Artur Neves justificou assim a decisão de desmobilização nos “próximos dias”: “aquilo para o qual eles vinham preparados, que era busca e resgate aquático”, tanto os bombeiros de Santarém como a equipa da Força Especial de Bombeiros, não foi necessário “porque rapidamente as águas baixaram”.

Em alternativa, transportaram por barco abastecimentos para a vila, operação “de grande utilidade”, que agora com a ligação terrestre deixa de ser necessária.

Na entrevista, o secretário de Estado disse que vão permanecer em Moçambique, no entanto, os profissionais que, com drones, estão a fazer um levantamento cartográfico de zonas afetadas pelo ciclone, bem como os que estão a auxiliar na purificação de água.

O responsável salientou que hoje mesmo chega a Moçambique um hospital de campanha do INEM, “validado e certificado recentemente pelo Mecanismo Europeu de Proteção Civil”, acompanhado de 28 operacionais, entre médicos, auxiliares, e enfermeiros, que se vão instalar junto do centro de saúde da localidade de Mafambisse, a cerca de 30 quilómetros da cidade da Beira.

“A partir de agora a vertente de ajuda mais premente, necessária, tem a ver muito com a saúde, daí a importância deste equipamento chegar agora”, salientou.

Sobre a semana que passou na Beira, o responsável salientou os contactos com as autoridades moçambicanas, o agradecimento destas ao apoio dado por Portugal, lembrou a repatriação de sete portugueses e frisou o facto de o comando operacional da Força Conjunta da Proteção Civil “ter assento nos briefings” diários das autoridades locais.

O vice-ministro para a Energia, acrescentou, também “deu nota do excelente trabalho” de uma equipa da EDP no sentido da reestruturação das ligações elétricas.

De todas as ações levadas a cabo por portugueses o secretário de Estado salientou uma do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR, que foi a instalação de um equipamento para purificação da água.

“Sentimos a importância daquela água pura a ser distribuída pela população”, disse, salientando que a população está a afluir ao local para “encher vasilhame”.

É “gratificante sentir, na verdade, que a nossa força estava a prestar um serviço essencial para saúde de todos. Sem aquela água a alternativa era beber água do rio”, disse José Artur Neves, acrescentando que chegou a ver, na visita a Buzi, pessoas a beber água do rio.

O secretário de Estado, em representação do Governo, não só ofereceu o equipamento para purificação da água, como garantiu às autoridades locais que os militares da GNR que o operam só sairiam de Buzi “quando tivessem a certeza de que os três homens indicados pela administração do território para operarem com o equipamento estivessem bem preparados”.

E haverá também, referiu, uma ligação permanente entre a administração do território e estruturas em Portugal para poder fazer chegar a Buzi consumíveis necessário para a operação de purificação.

José Artur Neves fez o balanço depois de visitar a Escola Portuguesa, também ela danificada pelo ciclone Idai e que tem cerca de 135 alunos, até ao nono ano.

Maria Emília Martins, responsável pelo primeiro ciclo, disse que parte elétrica ficou danificada e que foram arrancadas telhas. Duas salas estão inoperacionais.

As aulas estiveram interrompidas uma semana. A Câmara Municipal do Porto vai apoiar a reconstrução.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)