Rádio Observador

Uber

EUA. Mulher processa Uber em 9 milhões de euros depois de ter sido violada por condutor

961

Uma norte-americana foi violada por um condutor da Uber, Raul Vasquez, durante uma viagem em abril de 2018. Agora, está a processar a empresa por negligência.

ANDREW CABALLERO-REYNOLDS/AFP/Getty Images

Uma mulher norte-americana — identificada nos documentos judiciais pelo nome falso Jane Doe — está a processar a Uber por negligência e falhas na proteção dos consumidores. O The Verge avança que Raul Vasquez violou Jane Doe em abril de 2018, durante uma viagem em Washington D.C.. O condutor confessou depois o crime, estando já a cumprir uma pena de prisão.

O processo de Jane Doe contra a Uber e Raul Vasquez pede 9 milhões de euros em compensações por danos físicos e emocionais. Jane Doe afirma que o serviço se publicita como uma alternativa de transporte segura, algo que considera não ser verdade. A acusação garante que a Uber falhou ao não avisar Jane Doe “dos perigos apresentados pelo serviço, particularmente para mulheres alcoolizadas ou intoxicadas”.

Em 2018, foram 103 os condutores da Uber acusados de assédio sexual só nos Estados Unidos da América, de acordo com os dados da CNN. Desses, 31 foram entretanto condenados.

Em junho de 2017 outra mulher dos EUA, desta vez em Kansas City, colocou a Uber em tribunal com uma queixa similar: a mulher teria sido violada por Yahkhahnahn Ammi, em janeiro de 2017, num caso cuja resolução legal se desconhece. O processo de 2017 contra a Uber afirmava que a empresa ignorara avisos anteriores em relação à conduta de Ammi. A empresa chegou a um acordo extra-judicial, pagando uma quantia não revelada à queixosa — esta é, aliás, a resolução habitual de processos deste tipo que envolvem a Uber, como descreve o Huffington Post.

As acusações de assédio sexual e violação na Uber não se limitam aos condutores da empresa. Em fevereiro de 2017 a engenheira da Uber Susan Flower acusou publicamente a empresa de trabalhar com base numa cultura profissional “tóxica” e “machista”, afirmando que chegara a ser ameaçada com despedimento por denunciar o assédio sexual de que fora vítima por parte de um administrador da empresa. A empresa lançou uma investigação interna em resposta que levou ao despedimento de 20 trabalhadores por assédio sexual.

O presidente da Uber, Travis Kalanick, demitiu-se em junho de 2017, depois de estar envolvido em várias polémicas e de ser considerado impulsionador da competição agressiva que se vivia na empresa. Antes, em fevereiro do mesmo ano, o vice-presidente sénior de engenharia Amit Singhal demitira-se por ter encoberto uma acusação de assédio sexual feita contra ele quando fora vice-presidente do Google Search, cargo que mantivera até 2016.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nviegas@observador.pt
Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)