Rádio Observador

Eleições Europeias

Rio diz que voto no PS legitima ‘familygate’ e Rangel atira: “Só a sogra é que não nomeiam”

1.261

Rio elencou as razões pelas quais os eleitores não devem votar no PS e uma delas são os casos de familiares no governo. Rangel contrariou Marcelo e voltou a fazer de sogra do PS.

Rangel e Rio atacaram nomeações de familiares no Governo socialista

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O cheirinho a campanha já não se disfarça no PSD. As bandeiras (do PSD e do país) nas cadeiras, a sala cheia (dezenas de pessoas de pé), um crítico (Pedro Duarte) a bater palmas ao líder e uma apresentação com direito a speaker a despachar o objetivo do evento: a apresentação dos candidatos às Europeias, no Luso. Depois do anúncio dos convocados para o europeu, veio o jogo. O presidente do PSD, o primeiro a ir ao palco, avisou os eleitores que se votarem PS estão a legitimar a governação socialista em todas as dimensões: “Estão a dizer que o Governo está bem a fazer despachos a nomear a família para aqui e para acolá, de forma cruzada. Eu nomeio para aqui, tu nomeias para ali. Está a dizer que não tem muito relevo. Estão a dizer: continuem porque têm aqui a minha confiança”.

De Rio não se ouviu mais sobre as nomeações familiares. Isso ficaria para o atirador furtivo: Paulo Rangel. O cabeça de lista do PSD às Europeias disse que discordava do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, que defendeu que a lei devia ser alterada para clarificar a nomeação de familiares na administração central. Paulo Rangel defende que “não é preciso lei porque não há nenhuma razão para a ética não chegar. A ética tem de chegar“.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Rangel questionou: “Será que um ministro, um secretário de Estado, precisa de uma lei para saber que não deve nomear a mulher, o marido, o filho, a filha, o sobrinho, a nora, o genro?”. E acrescentou, provocando um sorriso geral na sala: “Só a sogra é que parece que não nomeiam“. Para o eurodeputado não é “necessário aprovar uma lei para aplicar bom-senso”, sugere a António Costa que releia alguns “clássicos”. E faz uma sugestão concreta: “O primeiro-ministro devia ler a obra Germânia, de Tácito, que dizia a propósito dos germanos, algo essencial: ‘E aí podiam mais os bons costumes do que as boas leis’“.

Rio e as razões para não votar PS

Rui Rio apresentou — como já tinha feito no Conselho Nacional (o discurso foi praticamente igual ao que teve à porta fechada) — as razões para que os eleitores não votem no PS. E aí não se ficou pelo caso das nomeações das famílias. O presidente do PSD colocou a bola no lado dos portugueses, ao dizer que se votarem nos socialistas estão a legitimar “uma política económica que é de distribuição e não olha para o futuro”, a ideia de que “não é preciso fazer nada nos Serviços Públicos“e que se pode criar um “passe social mais barato” nos grandes centros urbanos esquecendo o resto do país.

Este “marcar a diferença” — o slogan do PSD nesta pré-campanha das Europeias — na política nacional é uma das três frentes de batalha que Rui Rio elege (e já tinha definido no Conselho Nacional de Coimbra). As outras duas são o combate à abstenção e a política europeia. No caso da abstenção, Rio insiste que é preciso convencer os abstencionistas a irem votar.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Voltou a falar de família, mas a dos eleitores. “O primeiro objetivo é baixar a abstenção”, explicou Rio, lembrando que a abstenção faz com que, por exemplo o PCP (por mobilizar mais o seu eleitorado), tenha à proporção mais deputados em Bruxelas do que na Assembleia da República. “Se convencermos as pessoas a ir votar, depois vai também a família. O pai também vai, vai a filha, vai a mulher”, afirmou o presidente do PSD. Depois, concretiza, só falta um passo: “Convencê-los a votar no PSD”.

Quanto à política europeia, Rui Rio vê três grandes razões para os eleitores votarem no partido: porque a Europa “é cada vez mais importante” no quotidiano dos cidadãos, a defesa da “reforma da União Económica e Monetária” e “a luta contra os nacionalismos e o populismos”. Além disso, regista que o PSD “não é de direita e não é ponte para extrema-direita”, mas “o PS é de esquerda e é ponte para a extrema-esquerda”.

Rui Rio acusou ainda o PS de fazer da lista às Europeias um repositório de ministros, dizendo que “nos primeiros nove da lista, sete são ex-governantes de Sócrates ou de Costa“.

Paulo Rangel elogia Assis e apresenta bandeiras

Voltando a Paulo Rangel, o eurodeputado considera uma “queixa infantil e falsa” a acusação do PS de que “o PSD não tem propostas para a Europa”. Numa farpa aos socialistas, o cabeça de lista do PSD elogiou Francisco Assis, afastado das listas por António Costa, dizendo que segue “com atenção as pessoas que falam, escrevem e têm visão para a Europa“.

Rangel rebateu as acusações de eleitoralismo dos socialistas, lembrando que foi o PS — com a última remodelação governamental — que colocou o temas das relações familiares na ordem do dia a dois meses das eleições. Num evento sobre o artigo 13, em Lisboa à hora de almoço, Paulo Rangel tinha comentado que o PSD tem propostas, mas que a comunicação social transmite mais os ataques ao Governo. Disse ainda que o PSD ainda não tinha manifesto eleitoral para que as propostas não caiam no esquecimento perto das eleições, como aconteceu com as do PS.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A verdade é que, horas depois, no Luso, Paulo Rangel avançou com “bandeiras” a que também chamou propostas-alavanca e que passam por:

  • Uma estratégia comum para a natalidade, que possa vir a ser uma Política Comum para a Natalidade, já que o envelhecimento da população é um problema europeu.
  • Um programa europeu de combate ao cancro, em que a Europa se torne numa referência global distanciada. E que possa ter um avanço tecnológico equivalente ao que tem um programa espacial.
  • Criar uma Força Europeia de Proteção Civil.
  • Criar um Programa Europeu de Voluntariado, dirigido a millenials, em que os jovens parem um semestre ou um ano para fazerem voluntariado na Europa. Que possa enriquecer os currículos.

Ao longo do discurso, Paulo Rangel foi atirando várias farpas a Pedro Marques. Uma delas foi que “concorda pela primeira vez” com o seu principal adversário. “Pedro Marques diz que Portugal está em primeiro na execução de fundos. Mas com uma ressalva, se tirarmos os seis primeiros, Portugal está em primeiro. E é verdade, estamos em primeiro se tirarmos os seis primeiros”.

Depois de Rio e ainda antes de Rangel, o mandatário nacional da campanha, o comissário Carlos Moedas, lembrou que os sociais democratas não são “europeus a part-time”, mas “europeus a full time”. E falou dos candidatos um a um, definindo as características de cada um. Disse, por exemplo, que “na Europa toda a gente sabe quem é Paulo Rangel” e revelou que habitualmente chama Carlos Coelho de “Carlos Schengen”, pelo papel que tem na área das políticas de Schengen.

Pedro Duarte, chegou a desafiar a liderança de Rio no verão, mas esteve na sessão e bateu palmas a Rui Rio. O antigo líder da JSD assinou uma moção setorial no último congresso em co-autoria com Carlos Moedas, o mandatário nacional do PSD às Europeias.

Depois do hino de Portugal, ainda de pose hirta, todos na sala ouviram o hino da União Europeia no final do evento, também conhecido como hino da alegria. O ambiente está menos tenso nos eventos do PSD. Rio e Rangel pedem em uníssono: “O bom resultado, é ganhar as eleições.”

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)