Montepio

Banco de Portugal aperta cerco em torno dos empréstimos do Montepio ao construtor José Guilherme

Jornal "Público" escreve que o Banco Montepio tem estado a "partilhar" com o Banco de Portugal "o essencial da informação" sobre os créditos do construtor que deu "prenda" de 14 milhões a Salgado.

Os créditos a José Guilherme foram feitos no tempo em que Tomás Correia (na foto) liderada a Caixa Económica Montepio Geral, agora Banco Montepio.

RODRIGO ANTUNES/LUSA

O Banco Montepio tem estado a “partilhar” com o Banco de Portugal “o essencial da informação” sobre os créditos de José Guilherme, o construtor que deu “prenda” de 14 milhões a Salgado. A notícia é avançada esta quinta-feira pelo Público, que cita fontes bancárias com conhecimento deste processo. Perante a ameaça de ter de vender o Finibanco Angola (onde José Guilherme também é devedor) ou fazer um aumento de capital potencialmente doloroso, o Banco Montepio está a colaborar com o supervisor, que quer saber exatamente qual é a exposição do banco a este cliente.

A última estimativa que existe, sobre a exposição do banco a José Guilherme, é que o construtor tinha obtido junto do Banco Montepio (o novo nome da Caixa Económica Montepio Geral) créditos de 28 milhões de euros, entre os quais um crédito pessoal de 8,5 milhões de euros que corresponde, exatamente, ao valor que, como também revelou o Público, José Guilherme viria, logo de seguida, a oferecer a Ricardo Salgado numa primeira fase.

Essa “prenda”, a que Ricardo Salgado chamou de “liberalidade”, foi explicada pelo ex-banqueiro como um agradecimento pelo facto de o ex-presidente o Banco Espírito Santo ter aconselhado o construtor — um “amigo de longa data” — a investir em Angola (e não na Europa de Leste), onde Guilherme viria a fazer grande fortuna. No final de 2018, quando este processo começou, Guilherme terá colocado reticências, inicialmente, a que as suas informações — em Portugal e Angola — fossem partilhadas com o Banco de Portugal, mas o processo está em andamento, segundo o Público.

Além destes 28 milhões, a Caixa Económica Montepio, no tempo em que ainda era liderada por Tomás Correia, concedeu, também, 37 milhões em créditos a uma sociedade imobiliária onde o construtor tem participação acionista. No tempo de Tomás Correia (que agora lidera a maior acionista do Banco Montepio, a Associação Mutualista), também foram transferidos mais de 12 milhões de euros em financiamentos pessoais a José Guilherme para uma sociedade de arrendamento imobiliário que, semanas depois, abriu falência.

O Banco de Portugal quer avaliar se estas exposições, direta e indireta, a José Guilherme está refletida no balanço do Montepio — já que são, em parte, créditos que se acredita não terem as garantias necessárias.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Montepio

Um Franciscano no Montepio

João Simeão
350

O franciscano vigário tem muito “saber de experiência feito” e é mestre do disfarce e da desculpabilização das suas incoerências: “não fica nada para mim, vai tudo para os meus frades, para a Ordem"…

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)