Rádio Observador

Coreia do Norte

Terceira cimeira EUA-Coreia do Norte? Só se Trump mudar de atitude, diz Kim Jong un

Kim Jong-un diz que só aceita reunir-se com o presidente dos EUA se houver uma mudança de atitude. Trump diz que quer "ver a Coreia do Norte tornar-se numa das nações mais bem sucedidas do mundo".

Trump e Kim Jong un em Hanói, em fevereiro, na última cimeira entre os dois líderes

KCNA/EPA

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, diz que só aceita reunir-se com Donald Trump pela terceira vez se o presidente norte-americano mudar de atitude face àquele país, noticia este sábado a agência Reuters, citando a imprensa estatal norte-coreana.

Esta semana, o presidente Trump admitiu “possíveis futuras reuniões” com o líder da Coreia do Norte, após um encontro com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, na Casa Branca. Em resposta, Kim Jong-un disse que é preciso que os EUA se aproximem da Coreia do Norte com uma nova estratégia.

Os dois líderes encontraram-se pessoalmente pela primeira vez em junho de 2018, em Singapura. Em fevereiro deste ano, a segunda cimeira, em Hanói, criou grandes expectativas sobre um possível acordo entre Trump e Kim para a desnuclearização da península coreana. Porém, a cimeira não teve sucesso, acabando por terminar antes do previsto sem que qualquer acordo fosse alcançado.

O falhanço do segundo encontro levou a liderança norte-coreana a repensar a estratégia, temendo que a tensão possa escalar até aos níveis do passado. Por isso, num discurso feito esta sexta-feira perante a Assembleia Popular Suprema, Kim deu ao presidente Trump “até ao final deste ano” para pensar se quer ou não voltar a reunir-se com ele e em que moldes.

O que é preciso é que os Estados Unidos acabem com a sua atual forma de pensar, e venham connosco com uma nova forma de pensar”, disse Kim.

“A segunda cimeira entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos da América, em Hanói em fevereiro, levantou fortes questões sobre se os passos que demos à luz da nossa decisão estratégica estavam corretos, e deram-nos um sentimento de cautela sobre se os Estados Unidos estão mesmo a tentar melhorar a relação entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos”, acrescentou.

Para Kim Jong-un, só vale a pena uma terceira reunião com Trump se for diferente da que aconteceu em Hanói: “Os EUA disseram recentemente que estão a pensar numa terceira cimeira Coreia do Norte-EUA e têm defendido fortemente a resolução dos problemas através do diálogo. Mas eles continuam a ignorar os princípios básicos das novas relações Coreia do Norte-EUA, incluindo o abandono de políticas hostis, e enganam-se ao pensar que se nos pressionarem ao máximo nos podem subjugar”.

Trump quer “ver a Coreia do Norte tornar-se numa das nações mais bem sucedidas do mundo”

Depois da notícia sobre as declarações de Kim Jong-un, o presidente dos EUA, Donald Trump, reagiu, sublinhando que a relação entre os países “permanece muito boa” — até “excelente” — e mostrou-se confiante no sucesso económico da Coreia de Kim.

“Concordo com Kim Jong-un da Coreia do Norte que a nossa relação pessoal permanece muito boa, talvez o termo excelente ainda fosse mais exato, e que seria bom que numa terceira cimeira entendêssemos completamente em que pé está cada um de nós”, escreveu Trump no Twitter.

“A Coreia do Norte tem um potencial enorme para um crescimento extraordinário, sucesso económico e riqueza sob a liderança do presidente Kim. Espero pelo dia, que poderá ser em breve, em que as armas nucleares e as sanções possam ser levantadas, e por ver a Coreia do Norte tornar-se numa das nações mais bem sucedidas do mundo”, acrescentou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)