Rádio Observador

Huawei

Empresas europeias rejeitam pressões dos EUA e defendem Huawei na União Europeia

Christoph Leitl, presidente da Associação Europeia das Câmaras de Comércio, defendeu que a UE não deve "dizer que a Huawei tem de sair para a Cisco entrar" porque "é esse o objetivo dos americanos".

A Associação Europeia das Câmaras de Comércio e Indústria recusa aceitar "pressões" dos norte-americanos no desenvolvimento da rede móvel de quinta geração (5G)

MAURITZ ANTIN/EPA

A Associação Europeia das Câmaras de Comércio e Indústria (Eurochambres), que representa 20 milhões de negócios na Europa, recusou este domingo aceitar “pressões” dos Estados Unidos da América no desenvolvimento da rede móvel de quinta geração (5G), defendendo a presença da Huawei. “Se a Europa está forte e unida, não devemos aceitar pressões de qualquer lado em qualquer momento” no que toca ao 5G, afirmou em entrevista à agência Lusa, em Bruxelas, o presidente da Eurochambres, Christoph Leitl.

Segundo o responsável, “os americanos estão a queixar-se dos chineses e os chineses dizem que os americanos estão a fazer o mesmo”, pelo que a União Europeia (UE) deve “ter regras claras, mas também um acesso livre marcado pelo respeito dessas mesmas regras”. “Não devemos dizer que a Huawei tem de sair para a Cisco entrar, é esse o objetivo dos americanos”, notou Christoph Leitl.

A fabricante chinesa Huawei é acusada de espionagem industrial e outros 12 crimes pelos Estados Unidos, país que chegou a proibir a compra de produtos da marca em agências governamentais e que tem tentado pressionar outros, como Portugal, a excluírem a empresa no desenvolvimento das redes 5G. Portugal já disse que não o fará e desvalorizou a polémica.

Por seu lado, a Huawei tem rejeitado as suspeitas, insistindo que não tem portas traseiras para aceder e controlar qualquer dispositivo sem o conhecimento do utilizador. Nesta corrida tecnológica do 5G, participam vários países do mundo, mas também várias gigantes tecnológicas.

Além da Huawei, a norte-americana Cisco também concorre no desenvolvimento da rede, além de outras companhias, como as europeias Nokia (sediada na Finlândia) e a Ericsson (da Suécia). “Devemos ter uma postura neutra em concordância com o comércio livre e justo e espero que empresas europeias como a Nokia também desempenhem lugares de topo nesse setor, ainda que com algum atraso”, argumentou Christoph Leitl.

No final de março, a Comissão Europeia fez várias recomendações aos Estados-membros sobre as redes 5G e deu-lhes permissão de excluírem dos seus mercados empresas “por razões de segurança nacional”.

Nessa recomendação, o executivo comunitário pediu também que os países da UE façam, até junho, uma avaliação nacional das infraestruturas da rede 5G, analisando, desde logo, “os riscos técnicos e os riscos associados ao comportamento de fornecedores ou operadores, incluindo os provenientes de países terceiros”, isto é, de fora da União. Depois, deverá ser feita uma avaliação geral dos riscos na UE, até outubro, de forma a encontrar uma “abordagem comum” às ameaças.

Até ao final do ano, os Estados-membros devem chegar a acordo sobre medidas de mitigação, que podem passar por questões como requisitos de certificação, testes, monitorização, assim como a identificação de produtos ou fornecedores considerados potencialmente não seguros. Para o presidente da Eurochambres, “a UE não deve tomar qualquer partido, deve definir quais são os limites”. “Quem respeitar as regras é bem-vindo, é assim que funciona o comércio livre”, adiantou o responsável à Lusa.

Criada em 1958, esta associação representa cerca de 20 milhões de negócios na Europa (incluindo a UE e países como Noruega, Rússia, entre outros), a quase totalidade pequenas e médias empresas (PME), num total de 120 milhões de funcionários. Ao todo, é composta por 45 câmaras de comércio e de indústria, incluindo a portuguesa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)