Rádio Observador

França

Catedral de Notre Dame, a”Fénix”. As reações nas redes sociais

232

As fotografias, os desenhos e as mensagens de pesar pelo fogo que devastou a catedral na segunda-feira cresceram nas redes sociais.

O corcunda mais famoso da história chora com a catedral nos braços

Quasimodo chora agarrado à Catedral de Notre Dame. O lendário corcunda do romance de Vitor Hugo é uma das personagens mais recorrentes nas inúmeras reações que povoaram as redes sociais ao incêndio que devastou o monumento com 856 anos de história.

São várias as ilustrações da figura a chorar pela perda do lugar onde se habituara a tocar os sinos, na história de “Notre-Dame de Paris”.

Nesta ilustração, o Corcunda de Notre Dame chora ao olhar para as chamas no edifício que tem uma placa em que o nome da catedral muda para ”Notre Drame de Paris” (nosso drama de Paris).

Outro utilizador partilhou no Twitter mais uma imagem do Quasimodo, de costas para a catedral em chamas: ”Quasimodo chora em desespero, lamentando ‘é tudo o que eu sempre amei!’ E depois deixa Notre Dame sem nunca mais voltar”.

Já este utilizador da mesma rede social mostra esperança na reconstrução da catedral: ”No rescaldo desta tragédia que devastou a joia patrimonial de Notre Dame, símbolo internacional da história da França, devemos reconstruí-la. Não, Notre Dame não está morta. Ela é como uma Fénix e renascerá de suas cinzas”.

Pelas redes sociais perpassa um sentimento de perda não só para França, mas para a humanidade. As reações vêm de todo o lado. Abhishek Sharma, indiano, diz que ”Notre Dame, não é apenas a alma de Paris, fala da história humana e representa como evoluímos na arte, na cultura e na religião lado a lado. Está nos nossos corações lamentar por um dano tão terrível mas está também nas nossas almas reconstruir e preservar esses legados”.

Uma mulher partilhou uma ilustração do pináculo a cair para dizer:  ”Get Well” ou ”Fica bem, Notre dame”.

”Um dia muito triste. Chorei muito. Mas no fim de contas…a única coisa que quero dizer é: não vamos desistir, pessoal. O edifício principal sobreviveu, e eu tenho a certeza de que está a chegar o dia em que tudo vai ficar bem outra vez”, partilhou no Twitter.

As pessoas mostram alguma esperança na reconstrução do monumento ao fazerem referência a momentos históricos pelos quais a catedral passou e conseguiu sobreviver.

”A catedral de Notre Dame foi construída em 1163 e levou dois séculos a ser acabada. Sobreviveu às revoluções francesas e duas guerras mundiais. Qualquer pessoa que aprecie história, criatividade e beleza devia estar de coração partido agora. Estou muito triste por ter perdido esta parte da nossa história partilhada”.

A ação dos bombeiros não deixa de ser enaltecida, com algum alívio por terem conseguido salvar a estrutura do monumento. A propósito das declarações do comandamente dos Bombeiros de Paris, que garantiu que a estrutura foi ”preservada e salva na totalidade”, o inglês partilhou que ”o heroísmo dos bombeiros tem sido uma coisa maravilhosa.”

No Instagram, as pessoas também usam ilustrações e imagens da história de ficção que marca a Catedral. ”Não há palavras para descrever o que eu sinto quando vemos os vídeos de Notre Dame a cair. Séculos da história do meu país desapareceram em horas”.

Um espanhol partilhou uma imagem do incêndio no início da tarde ao descrever a situação como ”angustiante e dramática”. ”As chamas levaram 850 anos de história: escultura, arquitetura, pintura…Uma pena, um desastre enorme. A minha solidariedade com o povo francês, mas também com os milhões de pessoas que sofrem esta perda. Vai voltar a renascer das cinzas, não duvidem. Quando se vivem maus momentos que a vida põe no teu caminho, sempre nos resta a força do coração para seguir em frente”.

Da Noruega, chega mais uma mensagem de pesar dirigida a Paris: ”Um dia muito triste. O mundo chora contigo, Notre Dame”, diz este utilizador do Twitter, que partilhou uma imagem da Catedral antes do desastre.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: imartins@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)